segunda-feira, 29 de junho de 2009

Não enterre sua cabeça na areia: "Flow, por amor à água"


Flow - por amor à água
Site oficial do documentário que retrata a degradação e desertificação de uma cidade devastada após instalação de fábrica da Coca-Cola.

Os recursos hídricos da região, viraram refrigerante, que nós inocentemente consumimos.
Se há alguma fábrica de bebidas em sua cidade, é para refletir que a água utilizada venha dos mananciais da região e, quando acabar, a empresa não assume a responsabilidade e instala nova fábrica em outro lugar - com isenção fiscal, já que gera empregos.

Quem paga a conta são os que ficam: a população local com solos erodidos e poços artesianos secos. À população local sobram fontes desertificadas, solos erodidos, instalações fabris abandonadas, economia local sucateada e o desemprego.


A pergunta que o site faz e eu não consegui responder:
"CAN ANYONE REALLY OWN WATER?"
(Alguém pode realmente apropriar-se da água?)

Não deixe de visitar o link "take action" do site, há muita informação disponível.



O comércio de água engarrafada é um dos maiores crimes ambientais do nosso tempo, além do excesso de lixo pelas garrafinhas plásticas, a água mineral comercializada é quase um produto artificial em função dos minerais serem adicionados sinteticamente, já que as fontes minerais originais terem secado tamanha a demanda. Some a tudo isso o crime de hidropirataria, que ninguém rastreia, afinal a fábrica instala-se em área de concessão pública, conta com isenção de impostos porque gera empregos, seca as fontes de água locais, puxa mais água dos lençóis freáticos do entorno para nos vender a mesma água com minerais adicionados sinteticamente e embalada em plástico que será transportado em caçamba de caminhão. Pior, quando as fontes secarem, os donos da mesma fábrica (ou acionistas majoritários e CEO´s) simplesmente abandonam aquelas instalações fabris, a essa altura obsoletas, para instalar-se em outro local, com isenção de impostos, é claro. Às populações locais, sobram instalações fabris abandonadas, desemprego estrutural, exército reserva de mão de obra super capacitado, solos desertificados e fontes secas.

Pense ainda que uma empresa que vende um produto engarrafado em plástico deveria ser responsável pela logística reversa da reciclagem dessas garrafinhas, de acordo com a própria Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Estou deixando abaixo muitos links sobre todos os assuntos abordados, sugestões de filmes, outros casos de hidropirataria com processos judiciais movidos em Ação Popular pela própria população e sugestões para países com problemas de potabilidade, como o Brasil.

Mais do que nunca, é imprescindível entender que para cada litro de bebida pronta (refrigerante, chá, suco e cerveja), são consumidos em média 5lts de água. O custo indireto desse desperdício não pode ser repassado ao consumidor, afinal 1lt de mate (ou guaraná) não pode custar R$10,00, é inviável comercialmente - mas a longo prazo, a população do entorno das fábricas paga um preço muito mais alto. Hidropirataria é o crime ambiental que ninguém rastreia.

Lembre sempre que cada garrafinha de água mineral consome 8 vezes o seu peso em petróleo para ser produzida e que muitos restaurantes já aderiram ao movimento Água na Jarra, cedendo ou cobrando barato por uma jarra de água potável. Leia sobre o movimento e estabelecimentos que aderiram, na postagem "Água na jarra: estabelecimentos e receitas de águas aromatizadas".

Garantir água potável a todos é um direito constitucional e inalienável - é inaceitável desenvolvermos tecnologia nuclear antes de erradicar a mortalidade infantil.
Uma sociedade que empurra as próprias fezes com água doce, mas que em contrapartida compra água mineralizada quimicamente, tem problemas muito maiores e mais prementes do que autossuficiência em petróleo e urânio.




Outros filmes com a mesma temática:
A história da água engarrafada
Ouro Azul: A guerra mundial pela água
Cruzando o deserto verde


Mais informação:
Vinhos orgânicos e biodinâmicos
Nestlé mata fontes de São Lourenço
As bebidas sustentáveis da Festa de Natal
Hidropirataria nas águas de São Lourenço
Como funciona uma estação de tratamento de água
Água mineral sendo vendida em tetrapack, que não recicla
Quando a sustentabilidade me deixou na mão 02: filtro de barro
Matando a sede na rua: hidropirataria e embalagens sustentáveis
Águas aromatizadas e estabelecimentos que servem água em jarras
Cachaçaria certificada como orgânica seca lagoa de reserva indígena
O mito da venda de água: não existe água mineral engarrafada sustentável
Empresa japonesa instalada no Aquífero Guarani exporta água mineral engarrafada.  

17 comentários:

Daniel "Gargula" Braga disse...

Levanta uma bola interessante que eu nunca tinha pensado! Vou refletir sim!

Carol Daemon disse...

Oi Daniel,
na minha opinião esse filme tem tudo para ter um efeito tão devastador quanto os do Al Gore e do Michael Moore - acredito até que ele abra uma discussão muito maior.
Levanta questões como isenção fiscal, regularização de setor energético, privatização de abastecimento de água, consumo de bebidas processadas x consumo de frutas, multinacionais de água mineral, etc...

Sonia Hirsch disse...

Oi, Carol, muito boa bola mesmo. E vamos parar com essa hipocrisia de fazer campanha para economizar água no chuveiro e na mangueira, induzindo as criancinhas a fiscalizarem pais e amigos enquanto empresas de cerveja e refrigerantes se locupletam às custas do subsolo, que é patrimônio público. Como dizia o velho Stanislaw Ponte Preta: Restaure-se a moralidade ou nos locupletemos todos!

Sonia Hirsch disse...

Copiei o seu post no meu bloge te devo esta!

Dr. Chicletinho disse...

Olá Carol,
Obrigado pela visita.
Em relação ao seu post. Obrigado pela dica. Eu ainda não conhecia este documentário. Vvou dar uma olhada para ver se há versões legendadas para ver com calma.

Mais uma vez obrigado.
Esperamos mais visitas suas, e mais comentários inteligentes como o seu.

Um grande abraço
Dr. Chicletinho

Carol Daemon disse...

Oi Sonia, parafraseando o Sergio Porto isso aqui tá um "samba do crioulo doido" mesmo.

A Cedae lança campanha de regularização de gatos, eu apoio na maior boa vontade:
http://caroldaemon.blogspot.com/2009/06/desperdicio-de-agua-regularize-seu-gato.html

Reaproveito cada litro da minha máquina de lavar super engajada:
http://caroldaemon.blogspot.com/2009/04/reuso-de-agua.html

Aí me aparece uma dessas e a gente se sente cada vez mais esculhambado, é brincadeira.

Carol Daemon disse...

Oi Dr, bom te ver por aqui novamente.
Já que você postou com muita propriedade sobre construções inteligentes, essa questão das fábricas de bebidas usando nossa água me deixou com outra pulga atrás da orelha: se a água é utilizada para fabricação, também é utilizada para resfriamento de caldeiras.
Existem projetos de reúso e reciclagem de água em indústrias, aproveitando a água cinza dos sanitarios e lavatórios para resfriamento industrial - mas não é obrigatório por lei, é a medida que algumas empresas adotam para ganhar selos verdes e certificações internacionais.
Algumas empresas, não todas.
Se forem apurar litro por litro, vai aparecer muita caldeira e vaso de pressão sendo resfriado com água mineral.

Lucas disse...

que firmeza, valeu a dica, vou procurar ver esse doc. muito bacana. obrigado!

Daniel "Gargula" Braga disse...

Sabe onde encontro o documentário Flow no Brasil?

Carol Daemon disse...

Oi Daniel!
O Flow já passou na HBO, mas está fora da grade.
Segue link para vídeo no youtube.
http://www.youtube.com/profile?user=coreliandude76&view=videos&query=flow

Está sem legendas ou dublagem, mas mesmo que a pessoa não entenda uma palavra, as imagens valem a pena.

Abs!

Daniel "Gargula" Braga disse...

Carol, depois dê uma olhada no Mausoléu onde estou entrando nesta com você, ajudando a engrossar o coro contra o disperdício!!!!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Pessoal, achei o filme no youtube legendado em português e coloquei inteirinho copiado acima.
Abs

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Pessoal, mais um filme medonho na linha do Flow, Ouro Azul: A guerra mundial pela água. Já postado e linkado.
http://caroldaemon.blogspot.com/2011/06/ouro-azul-guerra-mundial-pela-agua.html

Bjs

Anne disse...

Carol, não sabia, mais um bom motivo p/ se excluir o refrigerante de nossas vidas. Mas e na fabricação de sucos de caixinha, será que gasta-se mt água também???
Ah a produção de tecidos tb gasta muita água na etapa de acabamentos, mas hoje em dia muitas empresas já buscam reaproveitar e tb devolvê-las sem poluentes ao meio ambiente...

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Anne, gasta sim, além do combustível fóssil consumido na logística de transporte e das matérias primas das embalagens, que irão para o lixo. Muito legal ver sua posição como estudante de engenharia textil, queria saber mais sobre a fabricação de tecidos. Vou te escrever em particular. Bjs

brunabora disse...

Baixar o Documentário - Flow - Pelo Amor à Água - http://mcaf.ee/z1bfu

BEL DE MELLO disse...

Carol, o link do documentário completo e legendado é este:
http://www.youtube.com/watch?v=7qpzeoIp_2E