segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Pigmentos naturais para comer, vestir e decorar



O pessoal da Ecotece levanta uma questão interessante:

"Insustentável: 160g de agrotóxico são utilizados para produzir agodão suficiente para confeccionar uma camiseta que pesa 250g".

Se a gente vale quanto pesa, será que essa camiseta não está saindo muito cara?
O agrotóxico usado no plantio do algodão que virá a produzi-la envolve toda uma indústria de pesticidas e químicos que por si só já degrada seu entorno e acaba com os lençóis freáticos e rios das regiões industriais.
O uso do agrotóxico no solo, após degradar e impactar o entorno industrial que fique bem claro, polui igualmente o solo e os lençóis freáticos das zonas de plantio.
Isso porque ainda não pensamos no próprio processo industrial da camiseta que, independente de ser feita em algodão orgânico ou não, sempre envolve tingimento, embalagens plásticas, combustíveis fósseis usados no transporte do processo de logística e muita, mas muita água para resfriar caldeiras, higienizar e até tingir esses produtos.
Se um litro de água custa aproximadamente R$2,00 e 1 litro de pesticida custa em média R$10,00, a longo prazo o valor agregado dessa camiseta é insustentável. E nós pagamos a conta sem perceber.
Ainda bem que já existe uma vertente produzindo e pensando de forma consciente, oCongresso Internacional do Algodão Orgânico, a ocorrer em Setembro na Suíça.

Segue a definição de Algodão Agroecológico, retirada do excelente glossário deles:
É uma prática que associa, em seus objetivos, a geração de renda, a melhoria da qualidade do solo, a diversificação da oferta de alimentos sadios e o desenvolvimento de uma consciência ecológica entre famílias que dela participam.

Outras opções: camisetas em pet reciclado, boa ideia a ser adotada como uniforme em empresas e tingimentos com corantes naturais, seguem os mais tradicionais:
Açafrão em pó
Caroço de Abacate 
Casca de Angico
Casca de Aroeira
Casca de Mangueira 
Casca de Murici do Cerrado 
Extrato de Acacia
Extrato de Alfafa 
Extrato de Cochonilha
Extrato de Curcuma
Extrato de Pau-Brasil
Extrato de Pau Campeche 
Extrato de Romã
Erva de passarinho
Folha de erva-mate
Henna
Índigo em pó 
Jenipapo
Picão
Sementes de Urucum
Serragem de Moreira

Pode parecer estranho pensar em tingimentos naturais, mas foi graças à abundância de pau-brasil que nosso país (que deve o nome à planta, hoje extinta) foi visto como uma boa opção a ser explorada, a tinta extraída da casca de suas árvores, era o melhor corante vermelho de sua época.
Minha mãe foi bailarina clássica e cansou de tingir suas meias, normalmente em rosa claro, com erva mate na panela, sempre que a apresentação pedia uma meia mais escura. Funcionava, mas ninguém tinha coragem de beber aquele mate depois.





A questão do algodão orgânico e seus impactos no meio ambiente, me colocaram para procurar pigmentos naturais, biodegradáveis, e sua respectiva aplicabilidade.

Encontrei henna (para tatuagens e cabelos), urucum, açafrão e até quem faça tinta com amoras e framboesas na comunidade de Permacultura do Orkut, que sempre soubemos que mancham a roupa se comidas de forma descuidada, mas nunca associamos ao tingimento específico e controlado.

A chita, o mais brasileiro dos tecidos que veste nossas fantasias de caipira, é originária da Índia, onde todos os tecidos são tingidos naturalmente, por mais coloridos que sejam, a tinta é sempre natural. Todos os multicoloridos batiks, tai-dai, kashmere e chitas, são tingidos naturalmente com óleos extraídos de frutos e cascas.

Neide Rigo, que cozinha muito e entende de gastronomia brasileira como poucos, extrai o urucum diretamente do fruto e revela em seu blog como fazer o óleo de urucum, iguaria das mais sofisticadas em inúmeras receitas e que permitiu futuramente que eu desenvolvesse o meu azeite orgânico e extra virgem aromatizado e tingido com urucum orgânico em flor.

Deixo minha receita favorita com outro corante natural, conhecido também pelo seu poder medicinal - o açafrão, ou curcuma da terra: risoto de funghi porcini com açafrão, que também fica bom se regado com azeite aromatizado com urucum, os dois sabores se complementam.


A foto é "roubada" do blog da Sonia, que também gosta de açafrão e pesquisou o assunto com muita propriedade.


Mais informação:
A casa sustentável é mais barata - parte 04 (ecotintas)


7 comentários:

Sonia Hirsch disse...

Ô Carol, não espalha, mas a foto também era emprestada...

Neide Rigo disse...

Oi, Carol! O legal é que com o açafrão também dá pra fazer pigmento vermelho,quando combinado com elemento alcalino. Já falei disto lá no come-se. Beijo, n

Carol Daemon disse...

Oi Sonia, legal te ver por aqui. Grande beijo

Carol Daemon disse...

Oi Neide, obrigada pela visita, sou muito fã do "Come-se" e vou pesquisar esse tingimento vermelho a base de açafrão.
Valeu por mais essa dica, apareça quando quiser :-)

Carol Galera disse...

oi carol tudo bom...
estou precisando muitissimo saber onde eu consigo alguem faca o corante organico
obrigada querida
aguardo sua resposta
carol_galera_4@hotmail.com

Carol Daemon disse...

Oi Carol,
na verdade os pigmentos orgânicos não são vendidos prontos, vc deve processar os mesmos.
Dê uma olhada:
http://caroldaemon.blogspot.com/2009/08/vestir-consciente.html
.
http://caroldaemon.blogspot.com/2009/08/pigmentos-naturais-e-ecotintas.html

Ricardo Jullian disse...

Parabéns Carol pelo blog. Valeu a dica pra baixar o manual do arquiteto descalço. Emprestei o meu, e nunca mais voltou. Agora já posso consultá-lo novamente. Trabalho com restauração de obras do patrimônio, e as vezes não nos dão condições de importar alguns produtos muito específicos para solucionar as coisas, então temos que criar alternativas.... e isso é bem legal. no momento estamos buscando alternativas para hidrofugar pedras sem perder totalmente sua porosidade, que é importante p ela...