segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Casas na árvore

Quando os ambientalistas falam que uma das muitas soluções para o aquecimento global seria o aumento do plantio de árvores, a maioria das pessoas torce o nariz pensando "e a população vai morar aonde, na floresta?"

Exatamente, na floresta. Cercados de verde, mas com banda larga, transporte coletivo movido a energia limpa e toda infra-estrutura em sistema autogestionário e participativo.

Casas na árvore, para todos os bolsos e gostos. Se possível, construídas com materiais reciclados, telhado vivo, composteira, muitas calhas reaproveitando a água das chuvas e janelas-claraboias imensas para a luz natural entrar.

E na hora de decorar, use ecotintas, instale um biodigestor e pelo menos uma placa de energia solar para aquecer a água do banho, compre móveis de segunda mão e reuse a água da máquina de lavar e dos sanitários.
Ar condicionado nem pensar, afinal a mata é fresca.

Frans Krajcberg sempre viveu como o Tarzan, em sua casa na árvore, aqui mesmo no Brasil.

Há 18 anos, acontecia aqui no RJ, a ECO-92. Eu era garota e, levada por meus pais, pude ir à exposição mais badalada dos muitos encontros que pontuaram esse momento, a de Frans KrajcbergDesde então, meu olhar para a arquitetura mudou e casas na árvore tornaram-se uma espécie de utopia pessoal.

A obra dele continua atual, Krajcberg foi o artista homenageado nos 60 anos do MAM de SP e a temática da mostra foi toda em função de sua luta contra as queimadas de florestas nativas, extração de minérios e proteção de áreas de desova de tartarugas marinhas.

O acervo do artista polonês, doado ao Estado da Bahia, é composto por mais de mil esculturas, relevos, desenhos, fotografias e filmes, que continuarão abrigados no sítio de Frans Kracjberg, localizado em Nova Viçosa, Extremo Sul da Bahia. Sua obra reflete a paisagem brasileira, em especial, a Floresta Amazônica, e sua constante preocupação com o meio ambiente.

“Eu viajo, filmo e fotografo a destruição. O fogo e tudo o que o fogo deixou, eu mostro. Veja, ontem foi uma bela árvore, uma bela vida. Há uma consciência de que precisamos lutar pela preservação. Essa é toda minha luta com meu trabalho. Eu não posso gritar. Se eu sair gritando vão me levar para o manicômio. Para mim, o único meio de preservar é pegar uma coisa morta e mostrar: veja o que o homem praticou”, comentou Krajcberg sobre seu trabalho, tido como ícone mundial de defesa a natureza.

Frans Krajcbeg nasceu na Polônia em 1921. Estudou Engenharia e Artes na Universidade de Leningrado, na Rússia e, posteriormente, na Academia de Belas Artes de Stutgart, na Alemanha. Chegou ao Brasil em 1948 e, em 1951, participou da 1ª Bienal de São Paulo, iniciando sua carreira artística. Em 1964, começou a executar suas primeiras esculturas com troncos de árvores mortas. Vive no Sul da Bahia, desde 1972.








As fotos abaixo nos deixam pensando se realmente vale a pena pagar cota-extra,  pegar engarrafamento e gastar até 1/3 do que ganhamos em aluguel. Atente também que reflorestamento de eucalipto não é reflorestamento, mas um engodo.






























Versão luxo e com design premiado:








As fotos e informações sobre Frans Krajecberg foram retiradas de uma revista de arte de Toronto e de um jornal local baiano. As demais fotografia circulam há anos pela internet e estão disponíveis em milhares de sites.



Mais informação:

6 comentários:

Luce disse...

Vale a pena conhcer a obra de Krajcberg e sua casa na árvore no sul da Bahia

http://bravonline.abril.com.br/conteudo/artesplasticas/artesplasticasmateria_396596.shtml

Carol Daemon disse...

Que dica boa, obrigada!
Fui a uma exposição dele aqui no RJ, durante a Eco-92, faz quase 20 anos. Adorei e esqueci.
Vou dar uma pesquisada, até para postar só sobre o artista.
grande abraço,
Carol

Lucas disse...

belíssimas. E sobre o livro das imagens anarquistas, ainda não sei, o livro vai ser lançado esse ano 2010, pelo que eu ouví falar será uma biografia do Gigi Damiani, anarquista italiano que viveu inclusive em Curitiba. Acredito que sairá depois de março. Assim que eu souber te aviso sim. um abraço!

Luce disse...

tem tb casas e templos de garrafas
http://www.treehugger.com/files/2008/10/temple-built-from-beer-bottles.php

Carol Daemon disse...

Oi Luce,
eu já conhecia essas fotos, acho que o pessoal do Ecoblogs postou acerca, mas o que é genial é o conteúdo do site - muita coisa bacana.
Um dia, com calma, posto acerca, estou tb com algumas fotos de uma rua toda construída com material reciclado, um projeto de moradias populares muito interessante.
Obrigada pela dica, um grande abraço
Carol

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Luce, segui teu faro e postei sobre Krajcberg, já linkei acima tb.
http://caroldaemon.blogspot.com/2010/10/frans-krajcberg.html

grande beijo e o templo budista fica para uma próxima