sábado, 10 de julho de 2010

Nestlé mata Água Mineral em São Lourenço - a PureLife é uma água química

Recebi o texto abaixo de pessoa mais do que querida, Sonia.
Hidropirataria é assunto recorrente neste blog modesto, mas que anda esquecido há algum tempo e, graças à amiga, volta à carga.

Caso ainda não tenha assistido ao documentário Flow, que retrata a situação dramática de uma região após a saída de indústria de bebidas, desertificando os solos da região após desgate dos mananciais, assista - é imprescindível entender que para cada litro de bebida pronta (refrigerante, chá, suco e cerveja), são consumidos em média 5lts de água. O custo indireto desse desperdício não pode ser repassado ao consumidor final, 1 lt de mate (ou guaraná) não pode custar R$10,00, é inviável comercialmente - mas a longo prazo, a população do entorno das fábricas paga um preço muito mais alto.
Para se aprofundar ainda mais na questão, assista também ao filme Ouro Azul: A guerra mundial pela água.

Em São Lourenço, nossa mais tradicional estância hidromineral, o problema também ocorre à despeito dos protestos (e processos judiciais) da população local. Veja melhor no link.
Leia também o email de moradora da região reportando esse roubo debaixo dos nossos narizes.

E no Ceará, a Ypioca, cacharia tradicional e outrora certificada, secou uma lagoa de reserva indígena.

Em tempo, todo processo industrial polui e usa conservantes prejudiciais à saúde e embalagens plásticas ou não-recicláveis, como long neck e tetrapack, além de incluir metais pesados danosos à saúde e exigir emissão de CO2 no transporte dos produtos que, no Brasil, ainda se acentua, pois praticamente toda nossa logística industrial é feita em caçamba de caminhão, não vistoriado, por uma estrada esburacada e com motorista "virado" e movido a "rebite". O Brasil é o único país do mundo que transporta ferro em aço por rodovia, já que não aproveitamos nossa costa para a navegação de cabotagem ou mesmo ampliamos a malha ferroviária, que é da época do império.

Informe-se e faça seus chás quentes e gelados; refrescos e bebidinhas de festa; lassis ou recorra à boa e velha água de coco, deliciosa e isotônico natural, sem contra indicações.

Sobre o mercado da água e toda hidropirataria por trás, leia a postagem Beber água pura não deveria ser caro e assista os vídeos do Wateraid, water and sanitation for all, premiados em Cannes.

Estatística: 40% da população mundial vive sem saneamento básico e 1 pessoa em 8 sem acesso à água potável, em consequência 4.000 crianças morrem diariamente por falta de saneamento básico.

Saneamento básico é o primeiro passo na direção contrária à miséria.




Segue o texto abaixo:

As águas turvas da Nestlé, Carla Klein

Há alguns anos a Nestlé vem utilizando os poços de água mineral de São Lourenço para fabricar água marca PureLife. Diversas organizações da cidade vêm combatendo a prática, por muitas razões.

As águas minerais, de propriedades medicinais, e baixo custo, eram um eficiente e barato tratamento médico para diversas doenças, que entrou em desuso, a partir dos anos 50, pela maciça campanha dos laboratórios farmacêuticos para vender suas fórmulas químicas através dos médicos. Mas o poder dessas águas permanece. Médicos da região, por exemplo, curam a anemia das crianças de baixa renda apenas com água ferruginosa.

Para fabricar a PureLife, a Nestlé, sem estudos sérios de riscos à saúde,desmineraliza a água e acrescenta sais minerais de sua patente.

A desmineralização de água é proibida pela Constituição.

Cientistas europeus afirmam que nesse processo a Nestlé desestabiliza a água e acrescenta sais minerais para fechar a reação.

Em outras palavras, a PureLife é uma água química.

A Nestlé está faturando em cima de um bem comum, a água, além de o estar esgotando por não obedecer às normas de restrição de impacto ambiental, expondo a saúde da população a riscos desconhecidos. O ritmo de bombeamentoda Nestlé está acima do permitido.

Troca de dutos, pra extração mais profunda, na presença de fiscais é rotina. O terreno do Parque das Águas de São Lourenço está afundando devido ao comprometimento dos lençóis subterrâneos. A extração em níveis além do aceito está comprometendo os poços minerais, cujas águas têm um lento processo de formação, está ficando cada vez mais lento.

Dois poços já secaram. Toda a região do sul de Minas está sendo afetada, inclusive estâncias minerais de outras localidades.

Durante anos a Nestlé vinha operando, sem licença estadual. E finalmente obteve essa licença no início de 2004.

Um dos brasileiros atuantes no movimento de defesa das águas de São Lourenço, Franklin Frederick, após anos de tentativas frustradas junto ao governo e imprensa para combater o problema, conseguiu apoio, na Suíça, para interpelar a empresa criminosa. A Igreja Reformista, a Igreja Católica, Grupos Socialistas e a ong verde ATTAC uniram esforços contra a Nestlé, que já havia tentado a mesma prática na Suíça.
 
Em janeiro deste ano, graças ao apoio desses grupos, Franklin conseguiu interpelar pessoalmente, e em público, o presidente mundial do Grupo Nestlé. Este, irritado, respondeu que mandaria fechar imediatamente a fábrica da Nestlé em São Lourenço.

No dia seguinte, o governo de Minas (PSDB), baixou portaria que regulamentava a atividade da Nestlé. Ao invés de multas, uma autorização, mesmo ferindo a legislação federal. Sem aproveitar o apoio internacional para o caso, apoiou uma corporação privada de histórico duvidoso. Se a grande imprensa brasileira, misteriosa e sistematicamente vem ignorando o caso, o mesmo não ocorre na Europa, onde o assunto foi publicado em jornais de vários países, além de duas matérias de meia hora na televisão.

Em uma dessas matérias, o vereador Cássio Mendes, do PT de São Lourenço, envolvido na batalha contra a criminosa Nestlé, reclama que sofreu pressões do Governo Federal (PT), para calar a boca.

Teria sido avisado de que o pessoal da Nestlé apóia o Programa Fome Zero e não está gostando do barulho em São Lourenço. Diga-se também que a relação espúria da Nestlé com o Fome Zero é outro caso sinistro.

A empresa, como estratégia de marketing, incentiva os consumidores a comprar seus produtos, alegando que reverte lucros para o Fome Zero. E qual é a real participação da Nestlé no programa? A contratação de agentes e, parece, também fornecendo o treinamento. Sim, a famosa Nestlé, que tem sido há décadas alvo internacional de denúncias de propaganda mentirosa, enganando mães pobres e educadores para a substituição de leite materno por produtos Nestlé, em um dos maiores crimes contra a humanidade.

A vendedora de leites e papinhas "substitutos" estaria envolvida com o treinamento dos agentes brasileiros do Fome Zero, recolhendo informações e gerando lucros e publicidade nas duas pontas do programa: compradores desejosos de colaborar e famintos carentes de comida e informação. Mais preocupante: o Governo Federal anuncia que irá alterar a legislação, permitindo a desmineralização "parcial" das águas. O que é isso? Como será regulamentado?

Se a Nestlé vinha bombeando água além do permitido e a fiscalização nada fez, como irão fiscalizar a tal desmineralização "parcial"? Além do que, "parcial" ou "integral", a desmineralização é combatida por cientistas e pesquisadores de todo o mundo. E por que alterar a legislação em um item que apenas interessa à Nestlé? O que nós cidadãos ganhamos com isso?

Sabemos que outras empresas, como a Coca-Cola, estão no mesmo caminho da Nestlé, adquirindo terrenos em importantes áreas de fontes de água.

É para essas empresas que o governo governa?


Mais informações sobre o caso Nestlé em Cidadania pelas águas



O comércio de água engarrafada é um dos maiores crimes ambientais do nosso tempo, além do excesso de lixo pelas garrafinhas plásticas, a água mineral comercializada é quase um produto artificial em função dos minerais serem adicionados sinteticamente, já que as fontes minerais originais terem secado tamanha a demanda. Some a tudo isso o crime de hidropirataria, que ninguém rastreia, afinal a fábrica instala-se em área de concessão pública, conta com isenção de impostos porque gera empregos, seca as fontes de água locais, puxa mais água dos lençóis freáticos do entorno para nos vender a mesma água com minerais adicionados sinteticamente e embalada em plástico que será transportado em caçamba de caminhão. Pior, quando as fontes secarem, os donos da mesma fábrica (ou acionistas majoritários e CEO´s) simplesmente abandonam aquelas instalações fabris, a essa altura obsoletas, para instalar-se em outro local, com isenção de impostos, é claro. Às populações locais, sobram instalações fabris abandonadas, desemprego estrutural, exército reserva de mão de obra super capacitado, solos desertificados e fontes secas.

Pense ainda que uma empresa que vende um produto engarrafado em plástico deveria ser responsável pela logística reversa da reciclagem dessas garrafinhas, de acordo com a própria Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Estou deixando abaixo muitos links sobre todos os assuntos abordados, sugestões de filmes, outros casos de hidropirataria com processos judiciais movidos em Ação Popular pela própria população e sugestões para países com problemas de potabilidade, como o Brasil.

Mais do que nunca, é imprescindível entender que para cada litro de bebida pronta (refrigerante, chá, suco e cerveja), são consumidos em média 5lts de água. O custo indireto desse desperdício não pode ser repassado ao consumidor, afinal 1lt de mate (ou guaraná) não pode custar R$10,00, é inviável comercialmente - mas a longo prazo, a população do entorno das fábricas paga um preço muito mais alto. Hidropirataria é o crime ambiental que ninguém rastreia.

Lembre sempre que cada garrafinha de água mineral consome 8 vezes o seu peso em petróleo para ser produzida e que muitos restaurantes já aderiram ao movimento Água na Jarra, cedendo ou cobrando barato por uma jarra de água potável. Leia sobre o movimento e estabelecimentos que aderiram, na postagem "Água na jarra: estabelecimentos e receitas de águas aromatizadas".

Garantir água potável a todos é um direito constitucional e inalienável - é inaceitável desenvolvermos tecnologia nuclear antes de erradicar a mortalidade infantil.
Uma sociedade que empurra as próprias fezes com água doce, mas que em contrapartida compra água mineralizada quimicamente, tem problemas muito maiores e mais prementes do que autossuficiência em petróleo e urânio.




Mais infrmação:
Flow, por amor à água
Como funcionam os aquíferos
A história da água engarrafada
Ouro Azul: A guerra mundial pela água
Como funciona uma estação de tratamento de águas 
Quando a sustentabilidade me deixou na mão 02: filtro de barro
O mito da venda de água: não existe água mineral engarrafada sustentável
Empresa japonesa instalada no Aquífero Guarani exporta água engarrafada
Ypioca secou uma lagoa de reserva indígena e perdeu certificação orgânica



Imagem cedida do site da Universidade de Barcelona

37 comentários:

Erica Yamamoto Ferreira disse...

Nossa, Carol, e eu comprei várias garrafas da Pureza Vital. É a mesma coisa??

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Não deve ser muito diferente, mesmo fabricante :-(
Te deixo uma dica, não financie essa indústria - o melhor filtro de água do mundo é brasileiro e baratinho, de barro!
Veja melhor no link abaixo:
http://www.soniahirsch.com/2009/08/o-melhor-filtro-de-agua-e-de-barro-e-e.html

Sonia Hirsch disse...

Oi, Carol, excelente post, como sempre! Vou botar um link pra cá lá no Deixa sair. Beijos!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi querida, obrigada sempre :-)

sylribeiro disse...

vou comprar um filtro de barro amanha mesmo! já devia ter feito isso antes, mas agora não da mais para esperar!
vc conhece algum bom? a sonia fala do são joão, e eu estou pesquisando na casa dos filtros, tem tantas opçoes que me perdi.
beijos

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Syl, os melhores são aqueles revestidos de prata coloidal, pq a prata ajuda a eliminar as verminoses. Stefanini e São João são marcas boa. Imagino que não tenha muita variação sobre o assunto, na dúvida, levante as marcas em geral e volte para casa, faça uma pesquisa na internet e volte no dia seguinte mais segura.
O meu, nem é Stefanini ou São João, era o que tinha e tem feito bom trabalho :-)

Sonia Hirsch disse...

O meu, na verdade, é São Paulo (e depois vão me chamar de bairrista). O São João na verdade marca o tipo, que é de dois andares, cerâmica em cima e em baixo.

O Salus era ótimo, tive um revestido com prata coloidal. Ultimamente andaram reclamando dele lá no Deixa sair, mas acho inconclusivo. O filtro, quando começa a ser utilizado, vai criar limo branco ou escuro e isso é normal. O gosto demora um tempinho pra ficar bom. Tudo na vida exige paciência... :-)

Edith disse...

Oi Carol!

Esses filtros revestidos de prata mofam menos? O meu eu dei pq juntava mto fungo/lodo, mesmo lavando.
Parabéns pelo post, e pelo blog!

Bjs
Edith

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi pessoal, tive um filtro da marca São João, marca mesmo, independente de ter 2 andares. Veio com garantia e tudo. Agora tenho outro, também de 2 andares, com o nome da cidadezinha onde funciona a olaria de barro que fabrica, veio igualmente com garantia e manual.
Acho que essa questão de chamar todo filtro de 2 andares de São João, deve ser meio como um vício de vendedor, tipo chamar palha de aço de bombril, provavelmente foram os primeiros, ou são os maiores, etc...
Nunca tive um filtro revestido de prata coloidal, que elimina as giárdias, é um dos meus sonhos de consumo. Mas garanto que os 2 de barro que tive, convencionais, juntaram limo. Eu costumo lavar 1 vez por mês e deixar ao sol por 1 dia todo.
No manual, li que não se deve lavar com detergente, nem ariar com sal, açúcar ou seja lá o que for e, importante, que a primeira água, deve ser dispensada por ter gosto ruim (usei para lavar louça) e que pode acontecer das primeiras filtragens trazerem um sabor que não agrade. Com o tempo melhora, como sabiamente Sonia nos ensina.

Só deixo 1 alerta: já enconrei muito filtro "de barro" com a segunda torre em plástico marrom! Achei uma torpeza infame e deve ter gente que adora, até por ser mais levinho...

Sonia Hirsch disse...

Edith, não é mofo: é limo. Diz o Houaiss: limo é...

...mistura viscosa, pegajosa, de argila, matéria orgânica e água; barro, lama, lodo

...colônia de algas azuis e/ou verdes, unicelulares ou filamentosas, que formam tapetes sobre o solo e sobre as pedras, em lugares muito úmidos ou com água estagnada.

Nada disso incomoda a água. Limpeza é ilusão, mas uma esponja de vez em quando não faz mal a ninguém!

Sonia Hirsch disse...

Barro não cria mofo, a menos que tenha coisas tipo resto de comida grudadas nele. Já a torre de plástico, tenho cá minhas suspeitas, como a Carol. O barro, para mim, é mais seguro.

sil disse...

Oi Carol, demais seu blog, de agora em diante sou sua seguidora.
Por incrivel que pareça, eu estou faz um tempão tentando achar uma solução pro consumo de agua aqui de casa. Compro galões de 20L e sei que não é o mais saudável, já usei filtro de barro, mas qdo tirava a vela pra lavar, parecia que não estava filtrando nada, pq os pingos caiam depressa ou lentos demais, aí desisti.
Esse filtro com prata coloidal é de barro por fora e usa velas como os de barro comuns?

Um abraço!!!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Sil, seja bem vinda!
Sobre o filtro, não é de prata, nem revestido para ser exata. O filtro é de barro com a vela revestida em prata coloidal. Por dentro, a cabaça, é de barro do mesmo jeito. O que muda é a vela.
E a prata coloidal adicionada ao processo de filtragem, ajuda a eliminar as verminoses. Que eu saiba, só a Stefanini produz, já bati muita perna e não encontrei à venda, apenas pela internet. Talvez nessa loja "Casa dos filtros", em SP, exista, inclusive de outras marcas. Aqui no RJ, é mais complicado, ainda não tentei os mercados tradicionais de atacadista, como São Sebastião, Madureira e Cadeg, mas pelo comércio convencional e varejista, não tive sucesso.

Sônia, li sobre o limo e adorei, lembrei das pedrinhas de rio, cheias de limo e garantindo a pureza daquela água, realmente mineral.

contextoseco disse...

Que gente bacana comentando esse blog muito bem feito!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi amigo do contexto seco, visitei seu blog e tb gostei muito, já estou seguindo. abs :-)

sil disse...

Carol, obrigada pela explicação e desculpa minha ignorância rs.
Valeu, um bjo e fica na paz.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Sil, pergunte o que quiser, é por aí mesmo. Reli o manual do filtro atrás de alguma informação sobre velas que não "trabalham direito". As velas devem ser trocadas de 6 em 6 meses, não precisa lavar, nem deve, sob risco de desmontar ou danificar a engrenagem.
Abs e apareça,

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Novidades no Front:
Antigamente, os filtros com prata coloidal eram revestidos (ou amalgamados) com a prata, dando ao interior do mesmo um aspecto de pintura metálica. Hoje, o carvão ativado na vela é tratado com a prata coloidal, reduzindo o consumo do metal pelo contato direto.
Sônia, teve um filtro desses, revestido, gostava, não sei se continuam fabricando (até pelo preço da prata) e pode ser o caso ainda em alguns lugares.
De qualquer maneira, encontrei um site ótimo:
www.casadosfiltros.com.br

E uma revista do setor especializada em meios de filtragem, que vale a pena ser lida inteirinha:
http://www.meiofiltrante.com.br/materias.asp?action=detalhe&id=351

Anônimo disse...

Essa notícia da nestlé em São Lourenço é muito antiga! é de 2004, por aí... o assunto lá já foi resolvido. A fábrica da Pure Life foi desativada e a empresa hoje pratica uma gestão muito melhor no parque da cidade (lindo, por sinal!)
http://www.nestle.com.br/portalnestle/parquedasaguas/

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Amigo anônimo que não se identifica, esse blog é idôneo e não patrocinado, até pq tenho emprego convencional em área de atuação distinta da Nestlé.
Quando perco meu tempo, postando as coisas aqui disponíveis, não tenho o intuito de denegrir quaisquer pessoas, físicas e jurídicas, posto porque gosto de ver informação circulando e, especialmente, porque amo qualquer assunto que envolva sustentabilidade. Sobre a "linda" gestão feita por essa empresa no Parque de São Lourenço, deixo um link mais imparcial, vindo justamente de quem interessa - a população local. Leia e informe-se melhor do que no portal de uma corporação que responde a inúmeros processos por hidropirataria em todo planeta:
http://caroldaemon.blogspot.com/2009/09/hidropirataria-continua-em-sao-lourenco.html

um grande abraço, Carolina

Edith disse...

Tb adorei as dicas sobre o limo!
Brigadão, Sonia e Carol!
Bjs!!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

2 dicas para situações de emergência:
1. filtro de água em carvão ativado que transforma lama em água translúcida em segundos:
http://www.buyactivatedcharcoal.com/charcoal_water_filter
.
2. método da Universidade da Jordânia que torna potável qualquer água pela irradiação solar:
Deixe a água em recipiente transparente ou azul claro (verde escuro nunca), pode ser até um saco plástico, por um dia inteiro no sol. Ou 06hrs de sol forte, como verão brasileiro de 09 às 15hrs. A incidência solar, mata as bactérias.

Roberto disse...

Parabéns pelo blog, excelente!Encontrei através da Sonia Hirsch. Morei um ano e meio em São Lourenço, Saint laurent para os íntimos, na época em que a Perrier administrava o parque,durante o período minha família só bebeu e cozinhou com aquelas águas, bom demais. Sinto muito o que está acontecendo, vale uma bombardeada de emails aos meios de comunicação, redes sociais, avaaz,candidatos, deputados... etc.
só observando..Não que outros sejam melhores, mas isso já sabíamos. Parece no entanto que um partido e seu mais ilustre representante venderam a alma ao vc sabe quem e estão vendendo o Brasil.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Roberto, seja bem vindo.
É sempre um prazer receber aqui o pessoal de "Saint Laurent" (adorei -kkkkk). Apareça sempre e bote a boca no mundo, mesmo tendo mudado - a população local é sempre a melhor fonte de informação.
abs,
Carol

Cacau Gonçalves disse...

Oi, Carol

Comecei a acompanhar o seu blog há pouco tempo, mas percebi agora o quanto tempos em comum. Sou carioca, moro em São Lourenço desde 1993, e fui uma das fundadoras do grupo Cidadania pelas Águas. Como tb sou jornalista, escrevi várias matérias e distribuí pela rede na época do nosso embate, que começou em 2001 até que conseguimos desativar a unidade da Pure Life, apesar de que a Nestlé continua engarrafando a água gasosa por aqui.

Ainda existem alguns links no ar das matérias e artigos que fiz:

http://www.consciencia.net/2003/12/12/nestle.html

http://www.folhadomeio.com.br/publix/fma/folha/2004/01/encontro.html

http://jornalistaincidental.blogspot.com/2003_07_01_archive.html

http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2003/05/254907.shtml

http://br.dir.groups.yahoo.com/group/ybytucatu/message/1156

http://www.midiaindependente.org/pt/red/2003/05/254956.shtml

beijos!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Cacau, a opinião da população local é a coisa mais importante em qualquer causa ambiental.
Adorei seus links, vou visitar com mais calma.
Apareça sempre, vc é muito bem vinda :-)
Carol

Lola disse...

Oi, Carolina,

Peguei seu link. Li esta postagem e também os comentários. Confesso que sou mais leiga, do ponto de vista científico, do que pensava.
Tenho um filtro junto à bica, que sempre acho que não funciona, tem aquela vela de carvão ativado com a parte de cima de plástico, que mostra o carvão e tenho também um filtro de dois andares, de plástico, que também tem uma vela toda de cerâmica (acho que é esse o material.
Então, os dois não prestam? Qual o problema do filtro de plástico?
O filtro de barro não poderia ser pintado? E qual a melhor vela, das duas que falei? A toda branca ou a que tem o plástico?
Foi bom achar você, creio que irei aprender muito.

Beijo e obrigada!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Lola, esses filtros de bica-torneira nao prestam pq o processo, ale'm de curto e' ra'pido e nao da' conta do recado.
Sobre o plastico, ha' muito material aqui sobre o Bisfenol-A, banido na Australia. Comida e plastico nao combinam.
Se vc quiser pintar por fora seu filtro d ebarro, n'ao tem problema nenhum.
Da' uma lida numa revista especi'fica, a meio filtrante
http://www.meiofiltrante.com.br/

abs,
Carol

Lola disse...

Obrigada pelas dicas, Carol!

Vou juntar todas as informações que você me deu e logo que der farei uma matéria para meu site, para maiores detalhes vou colocar um link para o seu,rssss.
Vou começar a olhar filtros de barro e tintas à base de água para fazer um lindo filtro.( até parece que sou delicada!!!) :)

Beijo.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Mais uma dica, a história da água engarrafada:
http://caroldaemon.blogspot.com/2010/10/historia-da-agua-engarrafada.html

Anônimo disse...

Oi, só gostaria de dar uma pequena contribuição.

O que a Nestlê fez em São Lourenço é, realmente, um verdadeiro absurdo, mas não se pode dizer que toda a produção de água mineral implica em "hidropirataria".

A retirada da água mineral de forma correta, de acordo com a capacidade hidrológica do aquífero de que é retirada e sem tratamento químico (respeitando, portanto, a composição natural de sais minerais) é saudável e pode até ser bastante positiva do ponto de vista ambiental.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi anônimo, sabe que eu concordo em parte com vc... A venda de água mineral foi inicialmente bem intencionada, vender à população sem acesso algo saudável. Comércio honesto: vc trabalha e paga por um produto disponível que precisa.
Mas acho que caminhamos em outra direção e como libertária enxergo que toda propriedade é um roubo, principalmente do que mata a sede da população. Água tem que ser direito expandido à todos, um absurdo ainda maior é a gente empurrar o próprio cocô com água doce e tratada num país com o potencial de água dessalinizada como o nosso e por outro lado, crianças morrendo de verminose por falta da mesma água tratada.
Eu fiz outros tópicos dessa postagem para cá, sobre estabelecimentos que fornecem água em jarras aos clientes, sobre a história da água engarrafada e o pior, sobre uma empresa japonesa que está exportando (e lucrando horrores com) água mineral retirada do aquífero Guarani...

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Cacau Gonçalves e todos, finalmente consegui ler todos os links da Cacau, juntei mais informação atualizada e voilá, saiu uma nova postagem:
Beber água pura não deveria ser caro
http://caroldaemon.blogspot.com/2011/11/beber-agua-pura-nao-deveria-ser-caro.html

Abs e conto com os votos de todos nessa segunda fase do TOPBLOG!

Anônimo disse...

Olá, Carol.

Antes de mais nada, devo agradecê-la pelas leituras muito boas que você já me proporcionou.

Eu gostaria de fazer-lhe uma pergunta: um purificador de água, desses mais elaborados, com várias fases de filtragem, não é melhor do que um filtro simples de gravidade?

Apesar de ter lido bastante, não consegui chegar a uma boa conclusão.

Muito obrigada.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi, olha eu uso o básico: filtro de barro e não tenho do que reclamar.
Abs e obrigada
Carol

Ariel Wollinger disse...

Errr toda água é química. Tudo é químico. Água é monóxido de dihidrogenio.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Organico e diferente de sintetico, Ariel. E disso q o texto trata e nao da formula H2O.