segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Nação Fast Food - uma rede de corrupção e Food Inc., você nunca mais verá seu jantar da mesma forma



Outro filme na linha do Super Size Me, criticando a indústria de fast food, mas que segue a escola do Robert Altman e mostra uma história ficcional onde vários personagens que não se conhecem, têm um ponto em comum. Leia o livro e assista ao filme.

A história começa com um executivo de marketing que precisa investigar porque foram encontradas fezes nos hamburguers comercializados, passando pela história de vida da atendente universitária de uma das lojas da rede e cobre todas as questões, incluindo a contratação de mão de obra mexicana ilegal e os inúmeros acidentes de trabalho nos frigoríficos terceirizados.

Em tempo, a melhor cena: os sabores churrasco-texano e frango-caribenho sendo obtidos em laboratório a partir de tubos de ensaio.

O filme está no Wikipedia e no Youtube.





Food, Inc. desnuda a indústria de alimentos

O filme de Robert Kenner, co-produzido por Eric Schlosser (de Fast Food Nation, disponível no Brasil) faz uma radiografia pesada da indústria de alimentos nos Estados Unidos, mas que cabe perfeitamente à nossa realidade, em tempos de economia globalizada.

O documentário faz uma incursão sobre os modos de produção da comida que chega às nossas mesas todos os dias, desde o modo como os animais “para fins industriais” são criados e abatidos, o excesso de uso de hormônios e antibióticos – que faz com que frangos engordem em tempo recorde – , a inserção na alimentação de variedades de soja geneticamente modificadas que resistem ao mais forte dos pesticidas, entre outros recursos utilizados pelas companhias para “aumentar a produtividade” – e que, em última instância, faz a comida ficar cada vez mais distante de sua natureza. Isso somado aos impactos à saude, como o aumento da incidência de obesidade, diabetes e contaminação por E.Coli decorrentes dessa ‘desnaturalização’ da comida.

Mas o filme aponta também caminhos, e mostra que está nas mãos do consumidor pressionar a indústria e as cadeias de supermercados por mudanças. A tão falada opção pelos orgânicos e alimentos produzidos localmente, por pequenos produtores, é apontada como um desses caminhos. Infelizmente, o preço ainda é um empecilho para muitos adotarem o orgânico como carro-chefe da alimentação. Esses dias, no supermercado, comparei o preço do frango produzido sem hormônios e antibióticos com o frango convencional. O frango orgânico custava 5 vezes mais que o convencional. Claro que, se mais consumidores buscarem essas alternativas, elas tenderão a baratear.

O link acima traz um trailer do filme


Dos 10 piores "alimentos" para a saúde, os lanches servidos em redes de fast food constam em quase todos os itens: sorvete industrializado, salgadinho de milho industrializado, pizza pronta, batata frita, batata chips, salsichas, bacon, donuts, refrigerante convencional e dietético.





Mais informação:
Boteco, o filme
O mundo é o que você come
O Mundo segundo a Monsanto
Super size me, a dieta do palhaço
Slow Food, desmatamento e prazer
"10 empresas controlam 85% dos alimentos”
Uma jornada criminosa no McDonald´s: a jornada móvel e variável de trabalho onde se paga menos de R$50,00 mensais a menores e ainda aumenta o rombo da nossa previdência

Nenhum comentário: