segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Outras curas


Quem acompanha esse blog, sabe que eu não falo da minha vida pessoal aqui, apenas banalidades sobre receitas de família que adaptei e uma ou outra viagem-compra que valha a pena mencionar, sempre pela visão da sustentabilidade sem fornecer maiores detalhes.

Particularmente não me identifico com blogs que exponham a privacidade de seus autores e me incomoda profundamente quando invadem a minha. Nesse admirável mundo novo, há gente que não busca 15 minutos de fama no grande irmão que a internet virou. Acontece.

Hoje, vou abrir uma exceção.
Eu sou reikiana há 6 anos e, ao longo desse período, fiz todos os níveis em 2 linhagens diferentes: japonesa tradicional (Usui) e havaiana (Karuna). O primeiro nível de Usui veio justamente 2 meses após meu aniversário de 29 anos, em pleno retorno de Saturno.
Atualmente, estou com 35 e vejo como essas curas complementares são importantes, principalmente para evitar que a pessoa recorra à alopatia com tanta frequência.
Em todos esses anos, só precisei tomar remédio em 2 ocasiões, sendo uma delas em cirurgia de emergência para retirada de um cálculo renal.
O reiki me trouxe muitas coisas: chás, cosméticos "verdes", animais adotados e inclusive Guarapiranga e a Korin, o que é uma outra história.

O reiki têm registros em bibliotecas tibetanas e indianas de mais de 5.000 anos, como a acupuntura, o shiatsu, o tai chi chuan e todas as formas de meditação.
Na verdade, um oriental, falaria reiki-dô, como judô e aikidô. O próprio tai chi é visto tanto como uma arte marcial derivada do kung fu, quanto uma forma de meditação em movimento.

É complicado aceitar que a cura de um corpo físico pode ser energética, mas Einstein afirmou na teoria da relatividade que a matéria é só uma forma condensada de energia.
Você pode identificar-se com florais, cristais, homeopatia, ou qualquer outra linha. Comigo, o reiki, o shiatsu e a acupuntura são os mais eficazes.
Yoga pode ser ótimo para alguns, eu fiz 3 aulas e não me afetou. Já o tai chi me deixou exatamente no estado que eu procurava logo na primeira aula.

Hipócrates, considerado o pai da Medicina Moderna, ensinou "faz do alimento teu remédio e do teu remédio tua alimentação".

Quando se fala em cultivos orgânicos, a maioria das pessoas pensa tratar-se de uma novidade, entretanto cultivar um alimento sem agrotóxico significa resgatar uma forma de cultivo agrícola que sempre existiu e foi substituída pela civilização moderna há menos de 200 anos, quando da invenção dos pesticidas sintéticos pela revolução industrial.

Da mesma forma que a indústria farmacêutica fornece sua caixinha de remédios, também monopoliza as sementes de cultivo e controla a produção de agrotóxicos . É um cartel, como qualquer outro.

O hábito de carregar uma necessaire com medicamentos na bolsa ou manter uma caixinha de remédios no banheiro é recente e não está tornando as pessoas mais saudáveis - da mesma forma que a agroindústria não acabou com a fome, apesar de nos ter sido prometido que a substituição da agricultura familiar tradicional era para o bem de todos.

Eu sempre acordei muito inchada, o rosto dolorido e os olhos apertados. Desagradável e aparentemente sem solução. Afinal, devia ser uma tendência natural à retenção de líquidos...
Nos últimos anos, com a mudança de padrão, o problema acabou e eu não notei. Segui vivendo sem perceber que despertava com a mesma cara das 06 da tarde.
Essa semana, com os cardápios de final de ano, comi carne de porco 2 dias seguidos em quantidades normais, acompanhado de carboidratos refinados e acordei inchada novamente. Foi uma sensação estranha, meu rosto disforme no espelho depois de tantos anos.
Pior, além do inchaço, veio um sono e sede incontroláveis, necessidade de 3 litros de água antes de dormir e um sono pesado de mais de 10hrs seguidas. Pela manhã, diarréia.

Lembrei de que todas as religiões codificam a prática alimentar, condenando combinações como carnes com laticínios, carboidratos e proteínas, frutas doces com ácidas e nos lembrando que a gula é pecado capital e o jejum leva à iluminação.

Recordei também do grupo de diabéticos norte-americanos que curou-se adotando uma alimentação de frutas e verduras cruas, no filme Simply Raw, e de muitos conhecidos crudívoros que dizem não precisar de desodorantes e pasta de dentes, seus corpos não cheiram mal.




Algumas pessoas podem ter tolerância maior aos derivados animais, mas a verdade é que o ser humano tem que mamar da própria mãe até os 06 meses e, se possível até os 2 anos. Após, todo leite animal é redundante, principalmente de outras espécies. O leite da vaca foi planejado para alimentar bezerros, animais peludos com chifre e pesando quase uma tonelada.

O consumo de carnes é cultural, principalmente em nosso intestino com 5 metros de comprimento. Carnívoros possuem intestino curto para eliminar rapidamente a carne, que apodrece logo. Um animal que não mata sua caça e não come sua carne ainda quente, crua e ensanguentada, não pode ser considerado sequer carnívoro, mas um carniceiro, como os urubus e hienas.
Se for comer carne, acompanhe sempre com pelo menos 3 vezes a quantidade em vegetais crus com muitas frutas na refeição seguinte. 1 porção de yang se equilibra com 7 de yin. Priorize carnes de produção orgânica, criadas sem hormônios, antibióticos e que pastaram em áreas livres de pesticidas. Nunca coma à noite ou em dias seguidos, nem misture 2 fontes de proteína no mesmo prato como: frango com parmegianna de queijo, bife com ovo "a cavalo" ou feijão com linguiça, carne seca e costela.
Comendo esses pratos, que seja no almoço, com muita salada verde, não acompanhe com um copo de suco grosso e doce (vinhos orgânicos e águas aromatizadas são ideais) e pingue meio limão por cima. O limão, além de deixar tudo delicioso, fortalece o fígado, é rico em vitamina C e ajuda a acelerar a digestão das gorduras de origem animal.

Ninguém consegue digerir mais de 1kg de carne semanal e o que você não digere, acumula.

Ser vegetariano não te transforma num ser humano melhor, nem mesmo em alguém que se alimente melhor. O problema da nossa sociedade atual é a falta de critério aliada ao excesso. Toda a comida do mundo está disponível 24hrs por dia, o que antes era apenas em dias de festa, hoje está em qualquer restaurante a quilo.
A soja não é a solução (nem a margarina), mas 1 bife de 250gr. por dia também não.

Observe que todas as receitas tradicionais de carnes são sempre acompanhadas de muitos legumes, verduras, raízes e até frutas. Como o strogonoff de cogumelos com batatas e arroz, moquecas de peixe com pirão de banana e batata doce, bacalhau em batata, cebolas e pimentão, quibe com arroz de lentilha e pasta de berinjela, leitão com abacaxi e farofa. As carnes, originalmente orgânicas, eram sempre uma pequena parcela num prato multicolorido, até pela insustentabilidade de manter uma aldeia inteira comendo carne diariamente. Se cada um fosse responsável pelo pedaço de terra que cultivaria para alimentar-se, a carne seria um artigo de luxo e não estaria transformando a Amazônia em pasto.
Existem centenas de fontes de proteína na natureza, ainda mais ricas do que a carne, com a vantagem de serem facilmente mais digeríveis. Leia melhor em O mito da proteína.




Por coincidência, estou morando em prédio com piscina e me vi com outro problema que havia sumido desde a minha adolescência: "pano branco", a micose de verão.
Todo ano, quando a temperatura esquentava, meus braços e costas ficavam cobertos de manchas claras. Era "micose de verão" e sumiria em março.
Realmente sumia, mas incomodava, principalmente pelas roupas cavadas que se usam nessa época. E pegar sol não escondia, acho até que acentuava o contraste.
Eu só morava em prédios e casas com piscina, não ia à praia.
Acreditava-se que o cloro da água, matava tudo. Não mata, na verdade, é mais fácil pegar uma micose na piscina da sua própria casa do que numa praia lotada. Água tem que circular.
Quando me tornei adulta, até no final da adolescência, parei de frequentar piscina e ir à praia, onde todos estavam. O "pano branco" acabou e eu tampouco percebi, estava ocupada curtindo meu bronzeado.
Há algumas semanas, resolvi ir à piscina do prédio depois do trabalho. O "pano branco" reapareceu.




3 anos antes de me tornar reikiana, os livros de Sonia Hirsch apareceram na minha vida, como que para explicar as coisas que estavam por vir. Eu lia e não entendia, relia e começava a fazer sentido. Reli centenas de vezes, até virar meu "piloto automático".
Sonia descrevia seu problema de supressão de mesntruação por candidíase com a mudança alimentar. Eu também sofria de supressão de menstruação, mas causada por ovários policísticos. Cheguei a ficar 18 meses sem menstruar naqueles tempos e resolvi tentar, afinal o único tratamento recomendado pela ginecologia convencional era: cirurgia de extração e profilaxia com hormônios anticoncepcionais sintéticos.
Fiz uma ultrasonografia para constatar a existência dos cistos, imensos é claro.
Passei então 3 meses sem ingerir nenhum derivado animal, açúcares refinados e quaisquer produtos industrializados. Foram 3 meses comendo muito arroz integral com feijão acompanhado de saladas cruas e verdes, folhas verde escuras refogadas à mineira (couve, mostarda, agrião, taioba, acelga, espinafre...), farofas de aveia em flocos com banana ou couve e alho dourados no azeite aromatizadobatatas doce e baroa assadas com cebola, alecrim e pimenta calabresaabóbora com shiitakes refogados, macarrão integral com pesto caseiro, missoshirosopas de lentilha ou feijão branco com pimentão, cenoura e muitos verdinhos, sanduíches de salada, pão do Bento com manteigas de legumes, pasta de grão de bico árabe ou guacamole, complementando com gelatinas de algas marinhas em sucos, sucos verdes e muitas geleias caseiras em rapadurafrutas cozidas, mousses de fruta sem açúcar, cremes de abacate sem leite (até com cacau, como mousse de chocolate), smoothies, além do sanduíche do Elvis Presley adaptado em pão integral ou tapioca, é claro. Comia divinamente, me diverti durante o processo, reaprendi a cozinhar e até hoje não sei o que é comprar uma lata de creme de leite, um saco de farinha ou açúcar branco.

A menstruação veio normalmente.
Esperei o ciclo acabar e fiz nova ultrasonografia, os cistos haviam desaparecido.

Voltei a me alimentar com menos rigor, mas sem carnes e açúcares, e mantive o ciclo menstrual apesar dos hormônios dos ovos e lácteos e de toda a química dos agrotóxicos.
Com o tempo, a menstruação começou a falhar novamente.
Os meses passaram e fui fazer o nível 3 de reiki Usui. A mestra resolveu ensinar à turma como fazer uma técnica conhecida como "cirurgia". Fui a voluntária e instintivamente a mestra em reiki colocou as mãos sobre meu ovário comprometido, comentando "deste lado está mais pesado".
Realizou a "cirurgia" falando com a turma durante todo o processo e obviamente, no dia seguinte, menstruei naturalmente.

Até hoje, quando minha menstruação vacila, eu recorro ao reiki, regulo a alimentação e ela volta.




No primeiro livro que comprei de Sonia Hirsch, "Só para mulheres", há uma indicação de um emplastro de inhame com gengibre na proporção de 10 partes de inhame para cada uma de gengibre ralando tudo à mão, que seria o emplastro "puxa-tudo". Se aplicado em local complicado, teria a propriedade de puxar cistos, tumores, verrugas, unhas encravadas e o que mais fosse de estranho no corpo. Na verdade, não existe um remédio para unha encravada, a não ser deixar a vítima com o pé inchado até a unha crescer e poder ser arrancada sem anestesia.
Eu sempre tive unha encravada, num único dedo do pé, desde criança. Minhas primeiras lembranças das aulas de balé são justamente de tirar a meia calça e a mesma estar manchada de sangue onde a sapatilha escondia. Doía muito e as vezes, eu ficava mancando sem conseguir apoiar o pé no chão.
Resolvi então tentar o emplastro quando a unha encravou e logo no dia seguinte, o dedo havia desinchado, estava molinho e sem "ferver" como ficava quando das inflamações.
Coloquei o pé de molho e lá estava um pedacinho solto, doido para sair, puxei normalmente com a tesoura e o dedo não doeu o resto do dia. Pinguei água oxigenada líquida para evitar qualquer infecção, ou mesmo uma micose e a unha ficou sadia.
O emplastro não curou a tendência daquela unha crescer torta encravando, mas sempre que ela encrava, é ao emplastro que eu recorro para extrair uma carne esponjosa que inflama e cheira mal. Sem dor, nem pomadas anti-inflamatórias, como eu usei a infância toda.

Anos depois, já com esse blog e conversando com Sônia pelo blog dela, uma esteticista, Cida Comotti apareceu contando que usava esse emplastro em seus tratamentos estéticos, afirmou ter curado casos de acne sem qualquer medicação, afinal o emplastro é do tipo que "puxa-tudo". A conversa rendeu e ela criou um blog para si, o blog da Cida, onde inclusive ensina a fazer esse emplastro de inhame com gengibre de uma maneira mais simples: batendo tudo no liquidificador com um pouco de água.
Tentei e achei uma maravilha, ralar inhame cru não é mole e a própria consistência do emplastro ralado não era das mais simples de aplicar. Com a mudança para o liquidificador, você chega a uma consistência de creme, basta aplicar no local, enrolar com gaze e esperar até o dia seguinte.
Se ficar muito líquido, basta juntar farinha ou argila para dar liga.
Uma das clientes da Cida contava ter conseguido livrar-se de manchas de sol com esse emplastro, gostei da ideia e resolvi aplicar no rosto para tentar me livrar das minhas rosáceas. Funcionou, é claro.
E a pele ainda ficou ótima, foi o melhor peeling que já fiz. O passo a passo aparece na postagem específica para O emplastro de inhame com gengibre (e argila)




Mais informação:
Sopinhas rehab
Gripes e Resfriados
Soja é desnecessário
"É câncer, mas não é nada"
Sol é importante para a saúde
Panela velha é que faz comida boa
Mamãe não passou açúcar em mim
Deixem Jess Ainscough descansar em paz
Carnes: vírus, hormônios, desmatamento e prazer
A casa sustentável é mais barata - parte 16 (piscinas naturais)

25 comentários:

Anônimo disse...

Oi Carol,
Parabéns pelo blog, sou leitora assídua.
Vc se lembra em qual livro a Sonia Hirsch fala sobre ovários policísticos?
Um abraço!
Joana

RENATA RZ disse...

Oi Carol!

Assino em baixo..
Eu sou cromoterapeuta e já vi curas inacreditáveis.
Fiquei encantada com a dieta que você citou, que a curou dos cistos.
Maravilhosa!

Estou te seguindo no Twitter também, vamos nos falar por lá.

Um lindo 2011 p/ você e seus amados.
Beijos green

Cida Comoti disse...

Olá Carol, precisava ler esse post hoje, pois estou me sentindo igual.
Passei esse período pré-durante e pós Natal, comendo diferente do que estou acostumada, resultado: inchaço, gases e dor de cabeça.
Incrível como o nosso corpo fala o que o desagrada.

Muito bom o que vc escreveu, eu não estava entendendo.....

beijos

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Olá!
Fico feliz de ver que o post rendeu e foi útil.
Quando o escrevi, estava morrendo de enxaqueca, esqueci de colocar alguns links sobre a carne, importante para alguns.

Joana, achei a dieta no "Sem açúcar com afeto".

Renata, nunca fiz cromo. Mas conheço muita gente que adora.

Cida, linkei tb minha cura de rosácea, que citei no teu blog.


Beijos em todas e Feliz 2011,
Carol

Anônimo disse...

Oi Carol,
acompanho seu blog há um tempo. Post precioso, muito obrigada!

Adriana

Fabiana Grangeia disse...

Oi Carol, acompanho seu blog há algum tempo, adorei esse post. Às vezes é bom abrir um pouco a intimidade! rsrs
Só faço uma ressalva... o ser humano não precisa do leite da mãe somente até os seis meses! Na verdade as crianças precisam continuar ingerindo esse leite até pelo menos os dois anos de idade... É muito importante para o desenvolvimento cerebral, emocional, fortalecimento do sistema imunológico etc... São tantos os benefícios que me entristece ver como se amamenta pouco hoje em dia... mas enfim, isso é assunto para outra hora. Beijos e parabéns pelo blog!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Fabiana, valeu pela tua informação. Sempre achei que a amamentação acabasse aos seis meses, com os primeiros dentinhos. Indicando que a comida pudesse ir sendo introduzida.
E as mães param de dar o peito para dar NAN, caríssimo e industrializado...

grande abraço,
Carol

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Olá Adriana, só agora vi sua mensagem. De nada e seja bem vinda :-)

MaFê Senger disse...

Oi, Carol,

embora cada um seja um:

3 aulas de Hatha Yoga pode ser pouco;
ou
pode ser que a metodologia utilizada (Ashtanga, Iyengar, Clássico) não foi boa para você;
ou
o professor não tem prática pessoal (aposto mais nessa última alternativa).

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Mafê, vou tentar dar mais uma chance. Ninguém é uma coisa só, né.
Beijinho e seja bem vinda :-)

Jussara disse...

Oi, Carol,
Leio seu blog há um tempo, cheguei pelo blog da Sonia, mas nunca comentei.
A rosácea costuma ser rosada/vermelha, mas não escura. O melasma é que costuma ser escuro, e acho que ela é mais fácil de ser tratada.
Enfim, estou em busca de tratamentos alternativos para o melasma. Sei que manchas têm a ver com o fígado, mas no meu caso, elas surgiram pq fiz tratamento com laser, e acho que a pele se sentiu "agredida" e reagiu assim. Tanto que as manchas são justamente no lugar onde foram feitas as aplicações.
Fiz aplicações com o emplastro por um tempão, depois desanimei, pois não fez nem cócegas. São manchas bem difíceis mesmo. Vc tem alguma sugestão do que eu possa fazer? Tenho tentado máscara de dolomita com óleos essenciais.

Abraços e parabéns pelo blog!

PS: concordo com o que a MaFê disse :).

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Jussara, bem vinda.
Não conheço nenhum tratamento para essas manchas mais específicas, mas Cida Comoti (citada e linkada na postagem e que tb comentou mais acima), deve poder te ajudar.
Escreva para ela, é esteticista.
Na pior das hipóteses, um dermatologista com tratamento convencional deve resolver o problema.
Abs e boa sorte,
Carol

Jussara disse...

Vou procurar a Cida, mas faz um tempinho que ela não posta.
O problema é que já tentei o tratamento convencional e não deu certo. E como as manchas surgiram justamente por causa de um tratamento, meio que traumatizei. Por isso resolvi partir para o "alternativo".
De todo modo, obrigada.
Abs.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Jussara, lembrei de 2 coisas que podem te ajudar:
1. óleo de rosa mosqueta, rosa mosqueta é o rose hips, uma das maiores fontes de vitamina C, usada em cápsulas tb.
2. Liana Ciolac, dermatologista radicada no RJ, acho que romena de nascimento, especialista em tratamentos naturais. Tenho algumas receitas dela e vou postar esses dias, há uma máscara anti-manchas inclusive. Fique de olho.
Se for complicado vir ao RJ, ou Dra Liana, tiver falecido, tente uma boa homeopata, ela pode te manipular uma fórmula específica.
Liana Ciolac já era idosa há uns 10 anos, qdo vi reportagem na TV q divulgava justamente algumas dicas como a tal máscara - anotei todas e sua dúvida me lembrou desse "caderninho" perdido...
Vá tb numa postagem daqui chamada "a polêmica dos cosméticos verdes", 2 leitoras deixam dicas de livros de beleza natural, além das comunidades do Orkut que tratam exclusimente do assunto.
Abs :-)

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Fabiana,
atualizei a postagem com teu comentário sobre amamentação. Obrigada :-)

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi pessoal, concluí ontem meu mestrado em Reiki, bacana :-)

Ninguém comenta com a Mafê, senão ela não sossega, mas eu tô fazendo umas aulas de yoga e até gostando ;-)

Anônimo disse...

Oi Carol tudo bem? Sou nova por aki e estou devorando seu blog! Queria mt a sua ajuda e opinião...
EStou 30 kg acima do meu peso ideal (por uma série de fatores: depressão, relaxo msm, alimentação péssima...) Consegui emagrecer esses meses para trás 7 kg com a malfadada dieta das proteinas, estou supre feliz com emagrecer e as roupas começarem a cair melhor...Só q em compensação minha alimentação tá uma droga... Sou distímica, já tenho um pézinho na depressão... com essa alimentação tenho ficado de BODE kkk o dia todo fora q nao consigo fazer lanches, já q os alimentos são ruins de carregar e tudo... A minha dúvida é: partindo para uma alimentação saudavel e sutentavel q vi mts exemplos no seu site e da Sonia, eu não corro o risco de engordar novamente? pelo menos no começo? Vi q vc tb teve SOP eu tb tenho e fico sem menstruar até tomando hormonio (sei q o peo influencia né?) Qd vc fez essa desitoxicação de 3 meses vc chegou a emagrecer? Vc tem problemas com o peso? Ou sempre manteve de boa? Desculpe tomar o seu tempo! Mas realmente estou naquela encruzilhada para mudar de vida... Mt obrigada! Bjs Ana

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Ana,
eu perdi 10kgs em 1 mês.
Mas atente que eu não era "vegana" como se vê por aí, comendo pão branco com margarina e carne de soja. Eu não comia NADA refinado ou industrializado. Não tinha brigadeiro de soja, estrogonofe de soja, arroz branco, biscoito maria sem traços de leite em pó, etc.
Era folha, fruta, legume, grãos integrais e feijões, além de óleos de boa procedência.
Comia bem, inventei coisas gostosas, como açaí batido com frutas e adoçado com melado. Sorvete de manga batido com leite de coco caseiro e gengibre, pão 100% integral com geléia caseira e sem açúcar de damasco, fusili ao pesto caseiro, etc.
Fique ligada para não comer queijo sem querer, os hormônios estragam tudo.
E ser reikiana ajudou muito, mas acupuntura, yoga, shiatsu ou o que vc se identificar, tb pode fazer milagres.
Um bom homeopata, do plano de saúde, acelera muito tb os processos de cura. Ligue antes, para marcar a consulta, e pergunte qual a linha dele, unicistas são melhores.

Vc já perdeu um pouco de peso, pq não se anima a pelo menos caminhar um pouquinho todos os dias?


Beijos e boa sorte, volte para contar seus sucessos.

Anônimo disse...

Oi Carol! Vou me animar sim!!! rs Fiquei muito tempo longe de mim... quero agora voltar a me amar e me cuidar integralmente! Estou devorando as dicas e receitinhas do seu blog! Uma duvida: mesmo na "desintoxicação" voce consumia o melado? E o açaí é aquele sem xarope de guaraná? Que é duro pra bater? Ou pode ser o com xarope? Fiquei mt feliz com a sua resposta e a sua atenção viu? Voce é uma fofa! Muito obrigada! E pode deixar que apareço sempre... Muito obrigada!!! :D Ana

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi, melado pode, mas não pode se empapuçar...
O que vc tem que ver é que não pode comer nada derivado animal-refinado-industrializado-açucarado e xarope de guaraná é industrializado e açucarado.
Vc pega polpa do açaí e bate no liquidificador com abacaxi, morango, banana, jaca... + ÁGUA + melado.
A boa comida se reconhece por ser feita do que a gente chama: melado de cana é melado de cana, não tem sacarose, destrose, pectina ou seja lá o que for.
E a base da sua alimentação vai ser salada crua, legume cozido, verdura refogada em azeite e alho + ARROZ INTEGRAL + FEIJÃO REFOGADO E BEM TEMPERADO + FAROFA DE BANANA NO AZEITE E CEBOLA COM SHOYU (SEM OVO, BACON, MANTEIGA)...

Pessoal, para não dizer que não falei de flore: vamos votar no blog nesse segundo turno. As votaçõe encerram na segunda à meia noite e os votos do primeiro turno, não valem para o segundo.
Beijos e obrigada sempre

fernanda bernardes disse...

Oi, Carol... Adorei o blog e gostaria de saber como obter mais informações sobre seu tratamento para rosácea. Qualquer ajuda seria muito importante, estou lutando contra isso há um tempo já. Pode ser por email? Como fazer? Obrigada, um beijo, Fernanda

Dani disse...

Olá,
Tenho problema de rosácea e sei como alimentação é importante.
Gostaria de saber qual o tipo de especialista que poder me ajudar, alem do dermatologista que passa um monte de antibiótico, o resultado é temporário! preciso de alguém para fazer um acompanhamento. Sou de Brasilia DF. Caso alguém possa me ajudar agradeço muito.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Dani, você inspirou uma postagem apenas sobre manchas de pele. Espero que te ajude.
Um beijo e dê uma olhada no link,

http://caroldaemon.blogspot.com.br/2015/02/o-emplastro-de-inhame-com-gengibre.html

Eunice Garani disse...

Olha... acabei de te conhecer, li várias coisas do blog, por conta da minha busca com a cândida, que sofro desse mal desde os meus 18 anos quando comecei a tomar anticoncepcional.
Vejo postagens como a sua, de pessoas que entram em um foco e conseguem priorizar a saúde e a alimentação, e eu admiro muito, sabendo que não é fácil o caminho, mas o resultado recompensa.
O meu grande problema nisso tudo é a preguiça da mudança e de sair de todos os prazeres da vida, da vida 'social' em que pelo menos, as pessoas com quem eu convivo tem um tipo de alimentação baseada em massas, glúten.
Eu ano passado tentei várias vezes comer açúcar, que pra mim é um vício. Eu conseguia por alguns dias e a cândida ia embora, mas de repente me assolava um mal estar e eu tinha que recorrer àquela droga, e comer sem fim.
Essa coisa de acostumar o estômago a comer menos, como diz a Sonia Hirsch é um caminho pra mim tortuoso por eu estar ligada ainda muito aos prazeres da vida.
Por outro lado, eu só vejo a cura através da alimentação. Eu realmente acredito nisso.
Já tive fase vegan, já tive fase crudivora, fase low carb, mas a minha maior fase no meio dessas fases é chutar o pau da barraca, e comer o que eu quero, para alimentar o meu prazer. Meu paladar ainda é muito viciado.
Mas só não posso desistir, estou no caminho.
Parabéns pela iniciativa e perseverança.
Isso tudo que eu escrevi foi mais um desabafo, e um aplauso... pessoas como você me contagiam, e fico admirada.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi, então essa dieta vegana e 100% integral é a ideal para vc! Pode comer massa integral sem molho de queijo à vontade, tapiocas cheias de banana e manteiga de amendoim, tortas integrais feitas com rapadura, pode se acabar nos feijões...
Não sei, mas pelo seu relato, pode ser ansiedade e medo e a terapia te ajudaria muito. Fica bem e tenta o tratamento e dieta da cândida quando estiver emocionalmente mais forte. Um beijo