domingo, 27 de novembro de 2011

Novo relatório do PNUMA fornece diretrizes para a redução da emissão global de carbono

Reduzir as emissões até 2020 a um nível que poderia manter o aumento da temperatura global em 2 graus Celsius durante o século XXI é tecnologicamente e economicamente viável, conforme estudo divulgado hoje (23/11) pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).


Um maior investimento em energias renováveis, mudança de combustível e melhoria da eficiência energética, pode oferecer uma grande fatia dos cortes necessários. Outras medidas incluem melhorias setoriais que vão desde o aumento da penetração de transportes públicos até o uso de veículos mais eficientes em setores específicos, tais como agricultura e manejo de resíduos.

O relatório Bridging the Emissions Gap, lançado hoje, dias antes das negociações climáticas da ONU na África do Sul e sete meses antes da cúpula Rio+20, apresenta aos políticos ideias claras sobre como preencher a lacuna de emissões até 2020, fornecendo, assim, claros indicadores de que já existem as soluções para evitar grandes impactos decorrentes da mudança do clima.

O relatório cita a aviação e a navegação como casos especiais, já que atualmente essas “emissões internacionais" estão fora do Protocolo de Kyoto — o tratado de redução de emissões. Juntos, eles representam cerca de cinco por cento das emissões de C02 e poderia ser responsável por até 2,5 gigatoneladas (Gt) de dióxido de carbono equivalente (GtCO2e) anuais até 2020.

Bridging the Emissions Gap também descreve cenários mais pessimistas, caso os compromissos e as promessas dos países desenvolvidos, incluindo os níveis de financiamento no valor de US$100 bilhões por ano até 2020, e as intenções dos países em desenvolvimento, não forem plenamente realizadas, a lacuna em 2020 poderia ser de até 11 GtCO2e.

O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, afirmou que "o novo relatório do PNUMA é uma contribuição vital para o esforço global para enfrentar os perigos da mudança do clima". Christiana Figueres, Secretária Executiva da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, enfatizou a necessidade de maior ação: "Esse estudo nos lembra que os esforços para combater as alterações climáticas são ainda insuficientes", disse ela. "Mas também mostra que é possível que os governos preencham a lacuna entre o que prometeram e o que precisa ser feito para manter o aumento da temperatura global abaixo de dois graus Celsius", adicionou.

"O tempo é curto, por isso precisamos otimizar as ferramentas que temos em mãos. Na CoP 17, em Durban, os governos precisarão resolver o futuro imediato do Protocolo de Quioto, definir o caminho para um acordo global legalmente vinculante, lançar uma rede institucional para apoiar os países em desenvolvimento na sua resposta ao desafio das alterações climáticas, e definir um caminho para oferecer um financiamento a longo prazo que pague por isso", acrescentou.

Bridging the Gap é o segundo da série de relatórios do PNUMA sobre o tema. O primeiro – intitulado Emissions Gap Report — tornou-se uma referência nas negociações internacionais sobre o clima que aconteceram no ano passado em Cancún, México.

"Esse relatório coloca informações vitais nas mãos dos governos e formuladores de políticas, sobre maneiras de enfrentar o desafio da mudança climática", disse Achim Steiner, Diretor Executivo do PNUMA e Sub-Secretário Geral da ONU.

Bridging the Gap destaca a necessidade de mudanças reais no sistema energético, melhora da eficiência energética e aceleração da implementação de energias renováveis.

Especificamente, o estudo analisou 13 cenários de nove grupos científicos diferentes. Os cenários foram capazes de reduzir as emissões de gases de efeito estufa para atingir a meta de 2 graus até 2020.

Conclusões:
O relatório conclui que as autoridades poderiam restringir ou fechar a lacuna de emissões em 2020 por meio de:

• Um acordo para implementar os seus compromissos mais ambiciosos de redução de emissões com regras mais rigorosas para o cumprimento dessas promessas;

• Investimento em fontes de energia renovável e melhoria da eficiência energética;

• Estabelecimento de fortes políticas setoriais de longo prazo.



Para baixar o relatório: PNUMA.org


Mais informação:
Relatório Estado do Mundo 2010
Dicionário Básico do Aquecimento Global
Consumo de água x aumento da população urbana
Antropoceno, a era geológica em que o homem desregulou a Terra
Principais pontos do primeiro atlas ambiental para América Latina e Caribe
Greenpeace lança Atlas "Mar, petróleo e biodiversidade - A geografia do conflito"

2 comentários:

Equetus disse...

Politica e meio ambiente são opostos.
Mas sem a consciência politica não vamos baixar a emissões de CO2.


boa sorte no TOPBLOG.

Abraços

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Talvez a nossa geração consiga esse feito, nem que seja pela sobrevivência da espécie.
Estou devendo uma postagem sobre esse carrinho tão simpático, não esqueci ;-)