terça-feira, 8 de maio de 2012

Dica sustentável e veterinária do dia: canela e joelho de boi



É um nojo, você se sente num filme de terror B, mas foi a salvação lá em casa.
Eu tenho 3 cães: Olimpia, Margarida e Pipa.
Vira-latas adotadas e castradas com cadeira cativa no meu coração.
A Marga, apesar de ser a mais mansa das 3, é do tipo que late. Se deixar sozinha em casa então, não tem carro na rua que escape aos latidos dela. Margarida late até para desenho animado do Pica-Pau e documentários de vida animal da NatGeo na televisão.
E latido incomoda, principalmente aos vizinhos.

Então, fui consultar o oráculo (Ana Corina e seu blog Mãe de Cachorro também é mãe) e vi várias dicas.
Inicialmente, fiz um brinquedinho de pet com furos feitos à faca onde se insere comida e isso deveria manter o cão ocupado, tentando rolar a pet para retirar a comida de dentro.
Não funcionou, Margarida não deu a mínima e eu escureci o fio de uma faca de serra na boca do fogão.

Vi também uns gelinhos de salsicha, gelo feito com rodelinhas de salsicha que deixam o cão doido chupando e empurrando o gelo até chegar na salsicha. Olhei e analisei "isso vai durar 15 minutos com as 3, não aguenta uma tarde toda em que eu esteja fora de casa".


Foi então que as rótulas de boi apareceram...
Faz assim: você vai no açougue mais próximo da sua casa e pede os joelhos e canelas de boi (vaca). Alguns açougues dão de presente, já que ninguém compra. Outros vendem a preço muito barato, quase simbólico. Aqui no Rio, em bairro nobre, o quilo custa módicos R$2,00 e o açougueiro sempre me dá um "chorinho" porque levo em quantidade.
Mande cortar no esmeril deles, o ideal são pedaços do tamanho do seu punho fechado.
Leve uma sacola resistente e compre pelo menos 5kgs.
Congele ao chegar em casa por pelo menos 24hrs, para matar qualquer microorganismo.
Vá dando ao seu cão paulatinamente.
Se tiver muitos cães, deixe mais de 1 pedaço por animal, para não dar briga.

O lado bom é que o tal sebo acaba logo, na primeira meia hora em que o bicho ficar atracado roendo aquilo, o cheiro vai embora. Mas o piso do local onde os cães brincam, vai ficar meio ensebado nesse primeiro dia. Nada que um pano com desinfetante não resolva e, a partir do dia seguinte, o sebo realmente acaba e o cão passa a roer só a cartilagem e o tutano.

O lado ruim é que ele carrega esse osso para todo lado e, se o animal dormir na sua cama (não é o meu caso), vai querer o "brinquedinho comestível" onde dorme, nesse caso o seu edredon limpinho. Você tem que se disciplinar para catar tudo e guardar em saco com nó na geladeira assim que chegar em casa.
A Pipa por exemplo não contente de roer as rótulas, descobriu que lançar escada abaixo num piso de granito produz um "barulhinho interessante". Ela atirava imensos joelhos de vaca escada abaixo às 3 da manhã. Espertinha, atirava e descia a escada para pegar, subir com o osso na boca para então, atirar de volta.
Ela ficava nessa e eu não dormia, é claro.

E não faça essa cara, os animais adoram, é hipnótico para eles e dura semanas fora da geladeira.
Mesmo que você seja um vegetariano convicto, vegano desde que nasceu, pense que não está estimulando a pecuária, apenas reciclando o excedente, afinal os ossos são o refugo daquela "produção". E o interessante de entrar num açougue, eu nunca havia entrado até então, é que você vai sentir tanto nojo daquelas tábuas, ganchos e serras ensanguentados, ensebados e fedidos, que talvez até desista da próxima picanha e com isso, menos carne acaba sendo consumida e menos animais abatidos.


Ainda que seu cão seja mínimo, ele encara sozinho um joelhão desses.
Se não acredita que seu filhotinho defenderia aquele ossão com unhas e dentes, veja  foto acima da rótula escolhida pela Pipa (meu menor cão), depois de apenas 3 dias de roeção.
Eu tinha um vídeo da Pipa pesando então 5kgs (hoje, pesa 12kgs) arrastando uma rótula quase do tamanho dela, arrastando e rosnando para as irmães 3 vezes maiores - "é meu e ninguém tasca", mas perdi o vídeo. Fica para a próxima.

Benefícios indiretos:
1. Ossos verdadeiros complementam imensamente a alimentação do animal, é fonte de proteína e nutrientes. Antigamente, nossas sopas levavam ossos, para que o tutano amolecesse e pudesse ser removido à faca. Passava-se na torradinha, complementando a alimentação das pessoas (que não tinham diários peitos de frango com 300gr e comiam mesmo todas as partes dos animais). O cão inclusive passa a consumir muito menos ração e pode ser um senhor quebra-galho à quem não tem tempo para fazer comida fresca aos seus animais (o meu caso, que complemento a ração com frutas e legumes crus).

2. (Tentar) escovar os dentes de um cão é tarefa das mais difíceis, você enfia a escovinha (ou dedal próprio) na boca do bicho e ele morde até dilacerar, cospe a pasta veterinária caríssima na sua roupa, se debate no seu colo, os outros animais da casa vêem a cena e correm... É uma guerra normalmente perdida pelo homem. Imagina fazer isso todos os dias? Em 3 cães? Não dá, nem para elas nem para mim. A roeção dos ossos é um removedor natural de tártaro e limpa os dentes automaticamente. De tabela, ainda acabou de vez com o tártaro e mau hálito da Marga, que já atendia pelo apelido de "bafuda" (coitada).

Há alguns meses, levei Olímpia para vacinar em nova clínica veterinária, mais próxima de minha casa. A Veterinária que nos atendeu, não a conhecia e, fazendo festinha, perguntou quantos meses tinha o meu filhote. Respondi com naturalidade que Olimpia já estava com 4 anos, é um cão adulto. A veterinária, dona da clínica e tutora de 2 cães (Mandioca e Rapadura - adorei os nomes), ficou muito surpresa justamente pela qualidade dos dentes da Olímpia e perguntou se eu escovava todos os dias.
Disse a verdade esperando um puxão de orelhas, que nunca havia escovado os dentes dela, que já havia tentado 1 vez e desistido, mas que dava joelho e canela de boi diariamente e isso provavelmente estava ajudando.
Não exagero, a Veterinária se benzeu e levantou as mãos para o céu dando graças a Deus. Muito simpática, com a Olímpia no colo me aconselhou a nunca parar com a prática e lembrou do alto de sua experiência, que se todos os donos de animais fizessem isso, os cães velhos teriam dentes mais fortes e hálito melhor sem qualquer necessidade de compra de produtos sintéticos.

Bom, (pouco) bonito e (muito) barato.



Mais informação:
Microchipei meus cães
Cães também bebem kefir!
Cães também bebem garapa
Cachorros também comem pés e ovinhas de galinha
Mais uma dica sustentável e veterinária: pescoço de galinha
Castre seu gato: 1 casal de gatos gera até 60.000 descendentes em 6 anos

10 comentários:

Fábio disse...

Legal a dica, Carol. Se eu tivesse cachorro não veria problemas em usar a técnica, mesmo sendo vegetariano.

Em tempo, já viu o documentário Fork Over Knives ( http://www.vista-se.com.br/saude/ )? Não achei nenhuma menção no seu blog, assisti outro dia e achei interessantíssimo.

Abraço!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Fábio, eu vou dar uma olhada no vídeo. Se for bacana, coloco linkado na postagem onde listo todos os vídeos da Libertação Animal.
Valeu pela dica, o Vista-se é maravilhoso.

Fábio disse...

Oi, Carol! Na verdade ele é bem específico na relação entre vegetarianismo e saúde. Vale a pena ver. Abraço!

Camila disse...

Oi Carol, adorei o post!

Deixa eu te contar um caso... minha cachorrinha estava com uma dermatite daquelas, 1 ano e 7 meses em tratamento e nada. Parava a medicação, a dermatite vinha mais forte.

Da ultima vez a dermatite veio tão feia, desisti do meu veterinário e fui procurar um outro, que é um vet. homeopata.

Ele me disse que há alguns anos atrás quando não existia ração e as famílias davam comida pros seus cachorros, não existiam metade desses problemas que vemos hoje.

Legal, sai de uma consulta de 2 HORAS com muitas mudanças a serem feitas, a começar pela alimentação que deveria ser natural. Antes a consulta com meu outro vet. durava 20 minutos.

1 ano e 7 meses depois de muito remédio, shampoo especial e toda química que vc imaginar... vem minha surpresa, 2 dias após começar a alimentação natural as feridas da minha dog começaram a secar, hoje, 20 dias depois, ela está 70% melhor.

Ele disse sobre aqueles ossinhos que vendem em pet shop, que são péssimos, pra tirar gradualmente e substituir.

Essa sua dica da rótula de boi foi maravilhosa. Vou testar o quanto antes!

Sabe aquele papo de que o barato sai caro? Pois então, a consulta com o novo Dr. custa 5 vezes mais do que com o antigo, porém antes eu saia com uma lista de remédios e shampoo que sempre davam em torno de R$ 250. Já os preços dos remedios homeopaticos manipulados que ela está tomando são 10 vezes mais baratos.

E sem contar o ciclo vicioso: da remedio... melhora um tempo... volta pior... remédio de novo...

Obrigada por este blog maravilhoso!
Super abraço.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Fabio, adorei o documentário e ele já virou postagem. Muito obrigada pela dica.
http://caroldaemon.blogspot.com.br/2012/05/forks-over-knives-troque-faca-pelo.html

Oi Camila,
maravilhosa a sua história. O barato as vezes sai caro mesmo.
Muita saúde e tudo de bom para sua cachorrinha.

Beijos,
Carol

Jessica Seabra disse...

adorei a idéia!!! fantástica! vou tentar com a galera aqui d casa....kkkkk

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Jessica,
tenta sim, vale a pena.
abs

Clara disse...

Olá! Tenho uma dúvida! Já tentei dar a canela do boi crua pra minha beaglezinha.. mas ela não deu muita bola! E depois de algumas horas eu joguei fora com medo de "estragar"! Pelo que eu li, vc deixa por vários dias os ossos com seus cães! É isso mesmo?
A minha já tem alimentação natural, mas gostaria de tentar incluir os ossos novamente justamente pelo bafinho e tártaro!!
Obrigada!! Estou amando o blog!!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Clara, sua beagle deveria entrar para o Guiness como o único cão que não liga para um osso cheio de carne!
Mas falando sério, pq cães são realmente desafiadores. Nos primeiros dias, eu não deixo fora da geladeira, não. Os cães passam a tarde roendo e depois, qdo chego em casa, guardo tudo no congelador. Mas só faço isso pq ainda tem as tais carnes e cartilagens, que realmente cheiram e ainda atraem outros bichos. Com o passar dos dias, a roeção faz com que essas carnes sumam e só aí, podem ficar direto na área delas, sem precisar refrigerar.
Peça ao açougueiro para picar menorzinho, quem sabe sua beagle se empolgue. Eu acho uma mão na roda.
Um abraço,
Carol

Anônimo disse...

hahahahaha pois é!! tb estranhei o desinteresse dela!! mas acho que talvez eu tenha que tentar mais algumas vezes pra ela se acostumar!! Obrigada pelas dicas!! =)