segunda-feira, 5 de novembro de 2012

1 semana com a Solarize e 2 dias com a Permario

Antes da Rio+20, tive o prazer e privilégio de conhecer um pouco do trabalho sério realizado pela Solarize, Permario, Fiocruz e Sempre Sustentável. Veio a Rio+20 com suas postagens, um embarque longo e a minha mudança, que vem demandando outras práticas sustentáveis também aqui postadas e por isso, trago essa postagem tão querida com algum atraso.


A Solarize é a empresa criada por Mauro Lerer e Hans Rauschmayer, instrutores da Sociedade do Sol, que promove o ASBC por todo país e projeta sistemas de energia solar para quaisquer tipos de edificação.
Um bom exemplo de energia solar bem sucedido foi no Residencial Mangueira 1, onde participei de um workshop gratuito da Sociedade do Sol, disponível na postagem: O projeto de aquecedor solar na Mangueira, implementado pelo programa federal do Minha Casa, Minha Vida. Os modelos usados são em metal de fabricação industrial que exigem instalação autorizada e manutenção, não é o ASBC em pvc de fabricação doméstica. Funciona muito bem, todos os moradores com quem conversei, estavam satisfeitos.

O Aquecedor Solar de Baixo Custo é uma invenção brasileira genial de patente livre, eu mesma já fiz a oficina deles e relato a experiência aqui na postagem: A casa sustentável é mais barata - parte 15 (Aquecedor solar de baixo custo a R$35,00). Um ASBC custa menos de R$50,00 e leva uma tarde para ficar pronto, não é o modelo escolhido pelo Minha Casa, Minha Vida para construções populares, mas é uma opção boa e barata num país onde 5% da energia consumida é justamente a dos chuveiros elétricos.
Você vai encontrar o ASBC aqui no blog em outras postagens, no projeto em parceria com o Pedro Paulo Dinis do Grupo Pão de Açúcar, o Verdejar e a Permario do Complexo do Alemão, cujo vídeo está na postagem Rio+20: o Cais do Porto e o protótipo instalado na Cúpula dos Povos, igualmente durante a Rio+20, no stand do Sebrae, como modelo sugerido para erradicação da pobreza no sertão, Rio+20: Cúpula dos Povos

Há alguns meses, eu tive a oportunidade de fazer a Formação Técnica em Projetista de Aquecimento Solar, de onde surgiu outra oportunidade, conviver com a Solarize por 1 semana.
Acompanhando o Mauro, pude participar de 2 oficinas, ambas em CIEP´s cariocas.

Contrariando todos os estereótipos, nossas escolas públicas surpreendem, os jovens são educados, cultos, articulados e interessados nos inúmeros projetos culturais e ambientais que as mesmas promovem. Foi uma surpresa maravilhosa conviver com tanta gente interessante em tão pouco tempo.





Na formação técnica e formal, só para quem é da área, os sistemas profissionais que estão sendo vendidos por aí e o farto material de referência e formação.


 



 No Ciep na Zona Rural de Campo Grande, uma escola imensa e com área externa vasta, cheia de árvores frondosas, promovendo o ASBC a quem realmente precisa dele, os que pagam a conta de luz alta por causa do chuveiro elétrico.







Essa que vos fala no cantinho da foto, ajudando o pessoal.

Sem a parceria e apoio da Fiocruz teria sido impossível:


 

Todo mundo compenetrado e se divertindo com a execução do Aquecedor Solar de Baixo Custo que viria a ser instalado para atender às demandas de cozinha:



Os ASBC já instalados, fazendo a alegria dos alunos e da responsável por tanta gente se articular em torno do mesmo objetivo, Alice, a promotora cultural do colégio: 




Dias depois, em outro bairro periférico, Jacarépaguá, dessa vez instalando e ensinando uma novidade, o captador de águas pluviais desenvolvido por Edison Urbano, Professor Pardal brasileiro que mantém um site incrível, o Sempre Sustentável, onde divulga gratuitamente suas invenções. Mauro descobriu e levou ao projeto de Horta Urbana na Escola Pública. Mais uma parceria da Solarize com a Fiocruz.

 A base em alvenaria previamente construída antes da oficina, estrategicamente ao lado da horta







Mauro, o professor de Biologia da Escola em Jacarépaguá e eu.











As aulas teóricas foram no pátio do colégio, debaixo de uma amendoeira.












A parte prática empolga mais, é natural.



As calhas com filtro e ladrão e a cisterna já instaladas:


Sendo de uso público ou local de muito trânsito de pessoas, coloque um cadeado na torneira, para que ninguém se intoxique. A água captada do telhado é ótima para a horta, mas pode vir até com pêlo e urina de roedores que ali façam seus ninhos, além da poluição.



Todo mundo satisfeito: alunos, professor, o encarregado, a Fiocruz e a Solarize:


Contato do encarregado, que fez um bom trabalho e encara outras obras: INF Construções e Reformas, Josemir Ferreira, 7821-8309 \ 7740-9926 \ 123*20955 \ 123*76362 - infinstalacoes@hotmail.com


Dias depois, recebo um email da Permario oferecendo um curso de 2 dias de duração, no final de semana, justamente com Edison Urbano sobre a cisterna de captação de águas pluviais que acabara de ajudar Mauro a instalar. Não resisti e me inscrevi, para saber mais sobre o assunto, que vira rapidamente no Ciep de Jacarépaguá e para conhecer Edison pessoalmente.

O cursos e workshops da Permario têm perfil distinto à formação técnica da Solarize, mais parecem PDC´s da Permacultura e é mais do que esperado que assim sejam. Os inscritos organizam-se em mutirões de carona, compartilham refeições, as aulas começam com meditações coletivas e tudo é mais orgânico, informal e holístico.

Ambas as visões são importantes, qualquer formação técnica não tem razão de ser sem uma função social e a Permacultura não sobrevive sem as técnicas de Engenharia e Agronomia. São formações que se complementam.






As aulas aconteceram numa casa no Grajaú que, a julgar pelo quintal, mais parece um sítio. O proprietário é parceiro do Desapegue-se, evento mensal do bairro, e vem implementado outras práticas permaculturais como espiral de ervas e círculo de bananeiras em seu quintal.




Edison é tão fera, que criou um gabarito em madeira para que o pvc encaixado fosse cortado no lugar correto e assim, quem se proponha a construir sua cisterna, não precise se preocupar em errar as medidas!
No segundo dia de curso, já ciente de sua simplicidade e humildade, levei de presente o último exemplar do Festa Vegetariana disponível aqui em casa.





Theo e Dani, os responsáveis pela Permario:




Toda cisterna tem que ter tampa para não atrair foco de mosquito e tampouco transformar seu recurso, a água, num sistema lagunar lodoso. Não facilite.


Na hora do almoço, houve quem improvisasse a folha da bananeira num makimono verde recheado do delicioso fusilli integral ao pesto de agrião.


Não fui tão criativa, forrei meu prato com a folha de bananeira e depois, fiquei livre de lavar a louça, economizando mais água.




Abaixo, 2 fotos em que apareço e a bananeira cujas bananas me inspiraram um forno solar:






As fotos dessa postagem vêm de muitas fontes: essa que vos fala, Mauro Lerer, Edison Urbano e Permario



Sites oficiais: 

2 comentários:

Renatao disse...

onde posso achar, para comprar, esses toneis/barril, de plastico azul?
Eu gostaria muito de fazer meu projeto de coleta de água da chuva, mas nao encontro tonéis limpos (novos) somente revenda destes, ou seja usados, mas contaminados por protudos quimicos... :(
P.S.: Moro no Rio de Janeiro, se puder me responder manda pro email renatotgomes@gmail.com

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Renatão,
faça uma busca no google por "bombona plástica", vai encontrar um monte de revendedor, até no mercado livre. Tb sou do Rio e onde vendem-se esses produtos industriais é em São Cristóvão nas lojas de material e equipamento de segurança industrial (capacete de operário, cone de trânsito, macacão de peão de obra, máscara de solda, etc). As lojas são geralmente debaixo do viaduto do bairro na curva para Benfica, conhece?
Onde vc encontra usado e que podem te ceder de graça é em lojas do tipo empório à granel (Casa Pedro, armazém árabe), eles armazenam azeitona, champignon e afins nessas bombonas. Antigamente era barril de madeira, agora é nesses plásticos. Faz parte.

Mas te lembro que qualquer recipiente serve para água, desde que não vaze. Eu comprei 2 baldões cisterna no supermercado Extra por uns R$20,00 cada. Aparecem nas postagens "Reúso de águas cinzas na lavanderia" e Comendo a ração que vende: lavanderia", justamente sobre minhas gambiarras que deram certo aqui em casa.
Se tiver um bom telhado, vai captar muito e uma caixa tipo fortlit pode ser a melhor solução. Veja qual o seu caso e qualquer coisa, volte aqui.

Abs e boa sorte,
Carol