segunda-feira, 27 de maio de 2013

Sem obsolescência programada e com garantia de 25 anos, mas não se encontra em lugar nenhum

Obsolescência programada é o nome dado à vida curta de um bem ou produto projetado de forma que sua durabilidade ou funcionamento se dê apenas por um período reduzido. A obsolescência programada faz parte de um fenômeno industrial e mercadológico surgido nos países capitalistas nas décadas de 1930 e 1940 conhecido como "descartalização". Faz parte de uma estratégia de mercado que visa garantir um consumo constante através da insatisfação, de forma que os produtos que satisfazem as necessidades daqueles que os compram parem de funcionar, tendo que ser obrigatoriamente substituídos de tempos em tempos por mais modernos.

A indústria produz barato e descartável para que você compre barato e descartável cada vez mais.
"dinheiro que você não tem, para comprar coisas de que você não precisa, para impressionar por pouco tempo pessoas com quem você não se importa.", Tim Jakson

Por outro lado, o conceito marxista de que a quantidade levaria à qualidade se provou ambiental e socialmente ineficaz numa sociedade de consumo. As nossas reservas de metais, madeira e água não estão aguentando tanta demanda, que precisa de combustível fóssil na logística de transporte e cujo resíduo é descartado rapidamente sem qualquer critério.





EPO ELETRICIDADE é a única marca no mercado sem obsolescência.

Depois de mais de nove anos de pesquisa, Benito Muros com um grupo de engenheiros internacionais, desenvolveu a tecnologia e a fórmula para fabricar uma linha de iluminação aplicada à tecnologia LED que dura por toda a vida. A descoberta representa um novo conceito de modelo de negócio baseado na não-obsolescência.

A criação do bulbo sem uma data de expiração tem um projeto de pesquisa por trás de mais de nove anos, liderado por Benito Muros. Este projeto parte da premissa de que, apesar dos avanços tecnológicos, antes os produtos duravam mais tempo. Para levar a cabo a sua investigação, Paredes viajou para o quartel Livermore (Califórnia), local onde há uma lâmpada que permaneceu acesa por mais de 111 anos ininterruptos. Eles entraram em contato e conheceram descendentes dos criadores da lâmpada, mas não havia nenhuma documentação. No entanto, tendo essas bases, ele começou sua pesquisa.

A lâmpada criada pela EPO Electrics responde à necessidade atual de um compromisso com o meio ambiente. Enfim toda a vida, sem desperdício. Ao mesmo tempo, permite a economia de energia de até 92% e emite até 70% menos de CO2.

Em suma, a nova criação da EPO Electrics, responde a um novo conceito de negócio, baseado no desenvolvimento de produtos que não caduquem. Então, essa é uma filosofia de negócios mais em linha com os nossos tempos, graças à comercialização de produtos que não estão programados para ter uma vida curta, mas respeitam o meio ambiente e não criam lixo que vai para os países do terceiro mundo.

A garantia dos produtos é de 25 anos:




Alguns produtos da linha da EPO:















Reportagem abaixo sobre o fundador:

Espanhol é ameaçado de morte por criar lâmpada que não queima

A bateria de um celular morre em dois anos, um computador em quatro, a geladeira está tendo problemas em oito anos e de repente, em um belo dia, a televisão lhe diz adeus.
“Não há nada para se fazer além de comprar outra”.
É possível fazer produtos que durem mais do que isso? Quem sabe a vida toda?
Benito Muros da SOP (Sem Obsolescência Programada), diz que é possível. Por isso está ameaçado de morte.

O conceito de obsolescência programada surgiu entre 1920 e 1930 com a intenção de criar um novo modelo de mercado, que visava a fabricação de produtos com curta durabilidade de maneira premeditada obrigando os consumidores a adquirir novos produtos de forma acelerada e sem uma necessidade real.

As lâmpadas e a luta de Benito Muros respondem a um novo conceito empresarial, baseado em desenvolver produtos que não caduquem, como aquelas geladeiras Frigidaire ou máquinas de lavar Westinghouse que duravam a vida toda.

Uma filosofia empresarial mais conforme com nossos tempos, graças à comercialização de produtos que não estejam programados para ter uma vida curta, senão que respeitem o meio ambiente e que não gerem resíduos que, por vezes, acabam desembocando em containers de lixo no terceiro mundo.

Veja a entrevista onde ele fala sobre seu projeto.









A lâmpada criada pela OEP Electrics responde à necessidade atual de um compromisso com o meio ambiente. Ao durar tanto tempo, não gera resíduos ao mesmo tempo em que permite uma poupança energética de até 92% e emite até 70% a menos de CO2.

Mas, ao que parece, a indústria de produtos elétricos não está muito contente com a descoberta. Benito Muros diz que está sendo ameaçado devido a seu invento e inclusive afirma ter recebido ofertas milionárias para retirar seu produto do mercado.

- “Senhor Muros, você não pode colocar seus sistemas de iluminação no mercado. Você e sua família serão aniquilados”, reza a denúncia que Muros apresentou à Polícia, que apesar do medo não se acovardou.

Para realizar sua pesquisa, Muros viajou até o parque de bombeiros de Livermore (Califórnia), lugar no qual há uma lâmpada que permanece acesa de forma ininterrupta há mais de 111 anos. Ali contatou com descendentes e conhecidos dos criadores da lâmpada, já que não existia documentação a respeito.

Com esta informação conseguiu as bases para começar sua pesquisa, cujo achado supõe um novo conceito de modelo empresarial baseado na não Obsolescência Programada.

Conheça a lâmpada neste vídeo:






Uma pequena lista das vantagens prometidas por Benito Muros e OEP Electrics:
- Gasta 92% menos eletricidade que uma lâmpada incandescente, 85% em relação às alógenas e 70% em relação às fluerescentes.
- Garante 25 anos funcionando 24 horas por dia, 365 dias por ano.
- Não se queima no caso de acender e pagar varias vezes. A empresa OEP Electrics garante 10.000 (Dez mil) comutações (acender e apagar) diárias.
- Ela acende na hora. Não precisa esperar ela esquentar.
- Não emite ultra violeta e nem ultra vermelho (Evitando problemas de pele e nos olhos)
- Não faz zumbido.
- Consegue iluminar em temperaturas de até 45 graus abaixo de zero.
- Não contém tungstênio e nem mercúrio. Não possui metais pesados que demoram para desintegrar. São recicláveis e seguem todas as normas ambientais.
- Emite 70% a menos de CO².
- Por ter mais tempo de vida, produz menos resíduos para a natureza.
- Praticamente não esquenta utilizando somente aquela energia que será necessária para iluminar, ao contrário das lâmpadas convencionais que gastam 95% da energia para produzir calor e 5% para iluminar.
- Por não esquentar e não produzir radiação evita deteriorar os materiais que estão perto.
- Evitam risco de incêndio.
- Não prejudicam o frio dentro de câmaras frigorificas.



Veja uma entrevista de Benito Muros:






Observação minha (Carol): já imaginaram esses produtos que nunca quebram plugados a uma tomada solar que se recarrega eletricamente a custo zero livre de CO2 como uma ventosa colada em qualquer janela de vidro ???


Mais informação:
O banimento das lâmpadas incandescentes
7 coisas tóxicas que você não deveria jogar no lixo
O mito da embalagem sustentável: manual básico de reciclagem
Você compra demais ou "De onde vem o lixo produzido no mundo?"
A casa sustentável é mais barata - parte 05 (eletrodomésticos vintage)
Como funciona uma Corporação e como o que você consome, implica nisso
Lâmpadas, termômetros e baterias: onde descartar itens com mercúrio e o que fazer em caso de intoxicação

3 comentários:

Paladino disse...

Olá Carol, como sempre postagens de ótimo conteúdo! Parabéns!
Quando estudava na universidade a gente já ouvia falar muito dessa tecnologia, mas infelizmente o mercado não tem interesse em utilizar esse conhecimento. Nem precisa dizer o porquê, né. Já foi dito na postagem! rs

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Paladino! Me diga qual sua formação?
E a compostagem?

Abs,
Carol

Paladino disse...

Eu sou engenheiro químico!
A compostagem ainda está sendo desenvolvida! Ainda estou pesquisando vários materiais! Vai demorar um pouco para terminar! rsrs
Abraço