sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Comendo a ração que vende - parte 10: ímãs de geladeira

Eu não gosto de ímã de geladeira, acho que polui visualmente a cozinha. Os ímãs do tipo "lembrancinha de viagem", além de inúteis por não prenderem nada, são geralmente de gosto duvidoso.
Os ímãs promocionais, úteis por informarem telefones de grande valia, normalmente são feios e em muitos casos ainda trazem um calendariozinho dependurado. Se você joga no fundo da gaveta da cozinha, fica aquela situação "Cadê o telefone da farmácia?". Então, quando fui morar sozinha, adotei o quadro de metal num cantinho da cozinha onde colava todos os ímãs promocionais, deixando minha geladeira do jeito que veio da fábrica: clean.

O tempo passou, mudei de casa outras 2 vezes, mas as bolachas da Devassa continuam lá e outras vieram. Aqui em casa, tem tanto desse ímãs, que levei uma pilha para presentear num dia de oficina de permacultura e acabou tudo na mesma hora.






















Segue o passo a passo que não poderia deixar de ser mais simples:

1. Bolachas de cervejaria ou flyers promocionais do que você gostar. Eu sempre pego os meus em bares, pode ser anúncio de peças de teatro, propaganda de festas, bares e shows, lançamento de sites e até do Governo, como é o da foto abaixo em menção à citricultura do Ministério da Agricultura e Pecuária. As fotos era lindas e eu levei sobre o que amo: laranjas, limões e café.
Mas não imprima nada novo, você não precisa baixar um poster na internet, reuse o que já existe por aí e, acredite, tem muita coisa boa indo para o lixo desnecessariamente.

2. Ímãs de geladeira que estejam sobrando. Eu recuso sempre que me dão, mas mesmo assim, acumula um monte. Para não jogar matéria prima e a propaganda dos outros no lixo, transforme os ímãs de geladeira feios em base de contato para os bonitos que você vai fazer. Cole com superbonder, deixe secar por 2hrs e vá em frente.



Mais informação:
Embalado para presente
"Fingi ser gari por 8 anos e vivi como um ser invisível"
A praga da reciclagem artesanal: não é sustentável e é horrível
O mito da embalagem sustentável: manual básico de reciclagem
Você compra demais ou "De onde vem o lixo produzido no mundo?"
Comendo a ração que vende - parte 01: mesinha de cabeceira em caixote de feira