quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Refrigerante caseiro

A primeira palavra que eu pronunciei nessa minha vida terrena foi "Coca". Dar coca-cola na mamadeira era normal há 37 anos atrás. As pessoas entram aqui, acham que eu venho de uma família alternativa, moro em ecovila e tive todos os bolos das minhas festinhas de criança em farinha integral. Nada disso. Eu cresci numa família comum e moro no Rio de Janeiro, numa casa de vila, mas num bairro com metrô e um monte de botecos.

Coube a mim mesma ainda adolescente partir para uma alimentação consciente, eram tempos pré internet, sabia-se das coisas por livros, uma palestra ou outra anunciada em cartazes fixados nas paredes de restaurantes naturais, os poucos que existiam (geralmente macrobióticos), um ou outro homeopata que levantava essa bandeira e olhe lá.

Não precisa ir muito longe, para muitas nutricionistas até hoje, dieta é sinônimo de pão light com margarina light, requeijão light e peito de peru, muito peito de peru...

Se eu que fui criada à mamadeira de coca-cola convencional (afinal a diet só apareceu em 1988, quando eu já era uma mocinha de 13 anos), consigo viver sem refrigerante, qualquer um consegue.
Foco e força de vontade, nada justifica o pé na jaca, nem estando de férias na Disney com 15 anos. Perrengue que eu também enfrentei sem colocar uma gota de refrigerante na boca. As coleguinhas de excursão me desafiavam todos os dias e, contrariando todas as expectativas, eu voltei invicta e até um pouco mais magra mesmo encarando os burguers e shakes normais nesse contexto. Voltei sim gostando de chá gelado, limonada e leite puro, que também só conhecia da embalagem, já que o Nescau (cuja composição leva quase 1\3 de açúcar refinado) era o café da manhã da minha geração desde sempre.
Paladar é hábito e disciplina. Aos 16, eu já tinha pavor do Nescau. 




Lendo a notícia sobre o lançamento de uma cola orgânica, Empresa alemã lança “Coca-Cola” orgânica, e fiquei pensando sobre o assunto, a produção orgânica e com menos química da bebida mais incorreta criada pelo homem. Já havia lido sobre duas empresas norte-americanas, a Brooklyn Soda Works e a Pure Soda Works, que explodiram com seus refrigerantes caseiros de sabores pouco convencionais, como frutas vermelhas com tomilho e pimenta rosa.

Já havia bebido um guaraná orgânico gostoso, que lembra inclusive as marcas antigas de "Guaraná Champagne", comprei para provar, achei um pouco doce demais mas gostei. Não voltei a levar pois faço minhas bebidas em casa sem açúcar. Também já havia tomado e gostado muito de um refrigerante caseiro bem azedinho de tamarindo com limão no Restaurante Santa Filomena da Praça da Bandeira, citado aqui no blog no Guia Slow Tijucano.

A própria Coca lançou uma Coca Verde, com rótulo verde e tudo, teoricamente adoçada apenas com adoçantes naturais em função da química proibitiva do aspartame: Coca-Cola lança garrafa verde com adoçantes naturais. Confesso que ainda não paguei para ver qual é a dessa nova Coca, não me falou à alma, até porque Coca é química pura e muito corrosivo. Contra indicado à mulheres de qualquer idade pois contribui e muito com a osteoporose. A primeira boa razão para nunca mais comprar refrigerante é a hidropirataria: 1 litro de Coca-cola consome 37 litros de água para ser produzida e para nosso maior prejuízo, não faz nenhum bem à saúde, muito pelo contrário.

Eu me aprofundo mais nos problemas ambientais na postagem: Por Deus, pela pátria e pela Coca-Cola, cujo texto inicial segue abaixo:
"Uma das postagens mais antigas daqui do blog é sobre um filme, ""Flow", o filme". Nesse documentário, pode ser vista a luta de uma comunidade indiana para a expulsão da fábrica da Coca-Cola de seu entorno.

Aos que não sabem, cada litro de bebida industrializada consome pelo menos 5 litros de água para ser produzida. No caso da Coca-cola, são 37 litros de água para cada litro de bebida fabricada.
Como a indústria instala-se em locais com fontes de água, onde hoje há uma fábrica, amanhã haverá um deserto. Os donos da fábrica, ou acionistas da empresa, recebem isenção fiscal por serem co-geradores de empregos locais e claro, ao secarem as fontes nativas, instalam-se em outro município-estado.

À população local sobram fontes secas, terrenos erodidos, desemprego, micronegócios falidos e instalações abandonadas. Tudo isso é crime de hidropirataria, o passivo ambiental que ninguém administra e rastreia.

Não existe bebida industrializada "verde" e ambientalmente correta, isso é um engodo, greenwashing que ainda nos vende a ilusão de uma embalagem reciclável, gerando então outra praga, a reciclagem artesanal.


Para quem quiser se aprofundar, o marcador hidropirataria traz tudo já postado sobre o assunto, incluindo o comércio insalubre e muitas vezes criminoso de água mineral. 

Em tempo, segundo o Dispositivo de Recursos Hídricos da Constituição Brasileira: lagos, rios e recursos minerais, além de tudo que for prospectado no subsolo, pertencem à União, logo ao povo.



O primeiro guaraná orgânico do Brasil na mesa da minha sala:






















Uma receita minha:
Cajuína orgânica fermentada no kefir por 1 semana. Se não conhece cajuína não sabe o que está perdendo. Cajuína é o que o cearense chama de "vinho de caju", mas não é alcoólico nem açucarado. Seria a versão tropical do apple wine norte-americano vendido em caixas de suco por lá. Tem gosto de doce de caju e é delicioso, eu diluo em água para durar mais, já que do orgânico é mais caro.
Inventei de fazer um refrigerante caseiro de cajuína com kefir e explodiu. Perdi a cajuína e as sementinhas de kefir, que depois receberia novas em doação.





















Deixe destapado para não explodir, como explodiu na primeira vez aqui em casa. As fotos abaixo são de uma fermentação de 3 dias sem rapadura e da respectiva explosão horas depois mesmo com quase metade do frasco vazio. Apoie a garrafa em pote com água e cubra com gaze ou pano de prato para evitar a entrada de insetos - mas não vede após a cultura se manifestar (como na foto), que a explosão é do tipo que acorda os vizinhos.




Outra opção:



Kefir de água curtido em rapadura por 2 semanas, ficou ácido e rascante. Gelei, pinguei limão e aprovei. Gengibre também combina e pode ser incluído ainda na fase do preparo.

Eu faço kefir de tudo, principalmente de suco de uva e maracujá, meus favoritos. São refrigerantes caseiros simples e, no caso do suco de uva, ainda por cima, não precisa nem da rapadura para auxiliar a fermentação. Quando estou com tempo, deixo por pelo menos uma semana. Quando com pressa, deixo apenas 3 dias em vidro vedado. A postagem Kefir e Iogurte mostra o passo a passo.






Já existe uma máquina que produz refrigerante caseiro a partir de xaropes vendidos pelo próprio fabricante, vende nas lojas de artigos finos para cozinha, leia sobre ela no artigo linkado: Máquina produz refrigerante caseiro. Imagino que seja o Nespresso dos refrigerantes, com discurso de caseiro, desde que feito a partir da matéria prima industrializada e produzida exclusivamente pelo fabricante da máquina. Um produto artificial que não te dá a menor possibilidade de criar e variar.


Entretanto, existe uma série de tradições em fermentação, que levam às bebidas gaseificadas inteiramente caseiras. Na postagem sobre as bebidas de festa para final de ano, Eu bebo sim!, eu deixo a receita adaptada de ginger ale, que segue novamente abaixo:

Ginger Ale, adaptado de receita da FoodNetwork
1 xíc. de gengibre ralado
1/2 xíc. de sumo de limão galego ou siciliano
1/2 xíc. de rapadura ralada
1/2 xíc. de kefir intensivo com 2 col. sopa das sementes
2 litros de água a temperatura ambiente
1 pitada de sal
folhas de hortelã fresca
Misture tudo e deixe em pote de vidro alto e com tampa por 3 dias.
Depois dos 3 dias, armazene na geladeira
Coe na hora de servir e decore com folhas de hortelã



Outras opções interessantes naturalmente fermentadas:

Easy peasy ginger beer de Jamie Oliver
140gr gengibre fresco
4 colheres de sopa de rapadura ralada
3 limões
folhas de hortelã
1 litro de água com gás ou gasosa caseira
Rale o gengibre no ralador de queijo
Junte numa tigela com a rapadura
Descasque 2 limões dos 3 totais e leve à jarra, macerando tudo junto com um pilão por meio minuto. Junte o suco do terceiro limão, a gasosa e deixe tapado por meia hora na geladeira.
Prove e veja se está doce ou ácido demais. Coe, adicione a hortelã e sirva.


Kvas ou kvass de framboesas, amoras e nêsperas
Como fiz: coloquei num vidro de conserva, destes com anel de borracha e presilhas, meia xícara de amoras e framboesas lavadas, 2 nesperas grandes sem sementes, picadas, 1 colher (sopa) de gengibre sem pele, ralado, 2 colheres (sopa) de mel e 1 litro de água filtrada. Tampei bem e deixei sobre a pia. De vez em quando, chacoalhava. Depois de três dias a mistura estava colorida e borbulhante. Passei por filtro de café (só usado para frutas) sem apertar as frutas e provei. Achei meio ácido e seco demais e acrescentei mais uma colher (sopa) de mel. Envasei em garrafa com presilha e deixei na geladeira por mais três dias. Abri e puf. Espuma fina na primeira vez, quase como cerveja. Nas outras vezes que abri, ainda um pouco de espuma efêmera e pérlage persistente.


Spritzbier - Refrigerante Caseiro Sabor Limão
10 litros de água
1 kg de rapadura
200 ml de suco de limão
100g de gengibre em 1 litro de água, por aproximadamente 15 minutos.
Em um recipiente grande misture o suco de limão com a rapadura, o gengibre com a água da fervura ainda quente e mexa bem até dissolver todo caramelo. Complete com o restante da água. Tampe e deixe repousar por 24 horas. Passadas as 24 horas peneire tudo e engarrafe em pets; deixe uns 3 dedos livres em cada garrafa por conta da fermentação. Guarde em lugar seco e fresco por 10 dias, antes de servir coloque na geladeira.



Você vai encontrar muitas opções de refrigerantes caseiros na internet, receitas tradicionais em base de água com gás. O blog é muito radical em relação ao consumo de água mineral e no marcador hidropirataria, pode-se encontrar centenas de links evidenciando os porquês.
Eu gosto da ideia do kefir e do gengibre por isso, fermentam naturalmente qualquer líquido. Aqui em casa, faço muita água aromatizada,cujas receitas seguem na postagem Mais água na jarra: receitas de águas aromatizadas, é a coisa mais simples: adicionar fatias de frutas, ervas e especiarias na jarra de água. Minha favorita é em gengibre e, num dia de esquecimento, deixei a jarra vedada em cima da pia de um dia para o outro. Quando acordei pela manhã, o que era uma água do filtro aromatizada na véspera, havia se transformado em água gasosa com gengibre. Então notei que o gengibre havia fermentado a água e era presente em muitas receitas de fermentação como catalisador natural.
O kvass da receita acima é uma adaptação de uma bebida eslava feita a partir de um pedaço de pão seco (fermento básico) com beterraba (fonte de açúcar natural em frutose) e um pouco de soro de leite em água. Sem qualquer aditivo artificial.
A venda e consumo de água mineral engarrafada deveriam ser proibidos, além de insustentável e socialmente irresponsável, é insalubre, já que os minerais são adicionados quimicamente.

Observe que o álcool é uma forma fermentada de sacarose e já tem gente fazendo suas bebidas a partir de garapa, agave e hidromel sem uma gota de álcool de cereais.


Se você resolver fazer seus refrigerantes caseiros, vá em frente sem água mineral, não é por aí:

Nestlé prevê que água engarrafada substituirá refrigerante nos EUA

Empresa é autuada na Baixada Fluminense por captação e venda ilegal de água para o consumo humano

Top Five Dumbest Greenwashed 'Earth Day' Gimmicks, a "Eco-shaped" Bottled Water é a dica número 1


Dos 10 piores "alimentos" para a saúde, os lanches servidos em redes de fast food constam em quase todos os itens: sorvete industrializado, salgadinho de milho industrializado, pizza pronta, batata frita, batata chips, salsichas, bacon, donuts, refrigerante convencional e dietético.



A postagem das cervejas caseiras vem aí, só não me pergunte quando...



As receitas:
Eu bebo sim!
Kefir e Iogurte
Delícias geladas
Mais água na jarra: receitas de águas aromatizadas



Filmes:


Por Deus, pela pátria e pela Coca-Cola

14 comentários:

Unknown disse...

Muitíssimo interessante seu blog, parabéns! Quero experimentar as receitas de refrigerantes, mas não curto gengibre, rs.
Farei outras frutais.
Abraços e tudo de bom.
Rosângela

comprar curtidas disse...

muito bom, adorei!!

ganhar curtidas instagram disse...

Muito bom !

seguidores no twitter disse...

Excelente!

ganhar seguidores disse...

bom post!

seguidores no instagram disse...

muito bom

automacao email marketing disse...


Muy bueno tu blog y estoy siguiendo su cargo por un largo tiempo!

Barbita Vieira disse...

Olá Carol, eu estou tentando aumentar minha cultura de kefir, mas acho que não esta dando certo porque nenhuma semente ficou boiando. E em relação ao refrigerante com kefir, como ele ficará gaseificado? Me ajude por favor, pois é um trabalho da faculdade.

Att. Bárbara

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Barbita. Então, nem sempre as sementes boiam. O importante é ver aumento na quantidade.
Sobre o refrigerante, é como coloquei, tem a deixar fermentado até formar a nata e boiar, vedado para acelerar. Fermentou? Abra e consuma ou leve a gelar. A fermentação natural é como o próprio nome diz um processo fermentativo por organismos vivos e probioticos, como fermento de pão. Vc não faz nada, só providencia as condições ideais para que aconteça.

Neo-Pensador disse...

Sobre o refrigerante: utilize qualquer suco da preferência com 2 partes desse por uma da água de kefir coada (sem os "bichinhos"). Ex: 200 mL de suco por 100mL da água do Kefir coada. É uma regra de três simples que pode ser aplicada a qualquer quantidade.
Sobre o preparo: pegue uma garrafa de plástico (sim! tem que ser de plástico) e coloque o suco e depois a água do kefir. Aperte a garrafa até que as paredes colabem e o suco quase esteja saindo pela boca. A ideia é criar um vácuo dentro da garrafa!! Depois coloque em temperatura e ambiente, e deixe a água com o kefir fazer o trabalho. Esse irá gerar CO2 e irá expandir as paredes da garrafa de plástico. A idéia é que você vá testando (apertando as paredes da garrafa) até que estejam ligeiramente abauladas e duras. Nesse momento, então, coloque na geladeira! Deixe esfriar e sirva!!
OBS: Se você utilizar uma garrafa de vidro, corre o risco de explodir! Se não deixar o vácuo dentro da garrafa de plástico, essa também poderá explodir.
As informações que compartilho aqui advém de postagens do grupo Cia dos Fermentados, cuja página é: https://www.ciadosfermentados.com.br/blog/refrigerantes-de-kefir/

jessica almeida disse...

e necessario jogar o kefir fora apos a explosão?

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Jessica. É sim, pode ter caquinhos de vidro e perfurar estômago e intestinos. Melhor não facilitar.

Unknown disse...

Bom dia! Coloquei kefir de água no suco de uva integral e deixei fermentar. No segundo dia surgiu uma camada aveludada e muitas pessoas disseram para descartar tudo, o líquido, os grãos e até o vidro pois estavam contaminados com brettanomyces. O que eu faço? Obs. O sabor ficou ótimo

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi, fica tranquila, brettanomyces não são tóxicos. Na verdade, vc está a um passo de fazer cerveja caseira ;-)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Brettanomyces