quinta-feira, 3 de abril de 2014

Hortas Orgânicas nas Favelas da Maré

Dica dos amigos do Sítio dos Herdeiros

O projeto Hortas Cariocas, presente em mais de 30 favelas da cidade, já apareceu aqui na postagem "Comprando orgânico, local e justo na Tijuca", justamente por ter pelo menos uma horta popular no Borel. E a Rede Maré de Sabores aparece em quase todas as postagens sobre a RIO+20, mas a foto da barraquinha deles na Cúpula dos Povos pode ser encontrada na postagem "RIO+20: de trazer na bolsa e na barriga".


Para acompanhar a ocupação militar na visão dos próprios moradores: MaréVive






Hortas Orgânicas nas Favelas da Maré
Frutos do projeto Hortas Cariocas, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente – que está presente em 30 favelas e na rede municipal de ensino – as hortas orgânicas da Vila Olímpica da Maré e do Ciep Samora Machel ensinam as crianças a ter uma alimentação saudável e a plantar seus próprios alimentos

O jornal Maré de Notícias publicou reportagem sobre hortas comunitárias na Maré. Elas são fruto do projeto Hortas Cariocas, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, que está presente em 30 favelas e na rede municipal de ensino. A produção é dividida entre as escolas, creches municipais e moradores, e parte do lucro da produção que é comercializada é utilizada em melhorias na horta.

Os alunos que visitam o projeto aprendem sobre alimentação saudável e a plantar seu próprio alimento. Eles também são incentivados a levar mudas para iniciar suas próprias hortas em casa.
Da horta para o prato
Bertália, alfavaca, cidreira, coentro, jabuticaba, maracujá – tudo cultivado aqui na Maré
Produtos orgânicos são caros e não são encontrados na favela? Os moradores da Maré não têm mais desculpa e já podem se alimentar com produtos saudáveis. Maria Euzete da Costa Pequeno e Antonio Roberto Gomes da Rocha, ambos moradores da Baixa do Sapateiro, cuidam do projeto Hortas Cariocas da Vila Olímpica da Maré (VOM).
Junto com a professora da oficina naturista, Débora Matos, eles recebem alunos do 1º ao 3º ano das escolas públicas da região e lhes apresentam o processo de cultivo das hortaliças. Para Débora, o contato das crianças
com a horta já apresenta resultado. Algumas já trocam biscoitos por frutas e aprenderam que tomate não dá em árvore. A oficina naturalista é uma atividade do projeto Educar Pelo Esporte, parceria entre a Petrobras e a prefeitura do Rio de Janeiro. “Mostramos às crianças como lidar com a terra. Na horta a gente planta e colhe os frutos. Falamos sobre alimentação saudável, sobre os tipos de espécies e folhas. Estimulamos também que eles levem mudas para plantar em casa”, explica Débora.
Maria Euzete diz que mexer com a terra é uma terapia. Ela sonha com uma horta grande para poder vender a preço de custo para o morador. “Uma vez, a professora Débora falou para as crianças me perguntarem Bertália, alfavaca, cidreira, coentro, jabuticaba, maracujá – tudo cultivado aqui na Maré sobre a horta; me senti muito importante. No final, as crianças estavam me chamando de professora. Todo mundo me abraçou e me beijou”,
conta, toda sorridente.
Antonio, por sua vez, traz o conhecimento de quem trabalhou com a terra desde criança. “Na Paraíba (de onde veio) não tinha essas coisas de adubo orgânico, era esterco de vaca. Aqui tivemos que cercar porque as crianças pisam no canteiro, fica cheio de marca de pé na terra, sem contar que acabam arrancando as plantas”, revela ele, pedindo mais consciência para a garotada.
Helio da Silva, morador da Vila do João, começou como encarregado da horta e hoje é jardineiro da VOM. Ele sente saudade de mexer com as frutas e verduras, mas cita a falta de material para melhorar a horta. “Precisamos do sombrite (tela de proteção) em cima da horta porque esse sol acaba com as plantas. Além disso, sementes, mudas, terra e garrafa pet também ajudam a acelerar o trabalho”, recomenda ele.
Gostou? Pode levar pra casa!
O projeto da VOM existe há 3 anos, mas ainda não é uma horta comunitária, embora este seja o objetivo. Já a que funciona no Ciep Samora Machel, em frente à VOM, distribui o que produz para a escola, prefeitura e moradores. José Maria, que cuida da horta, não cobra nada, mas aceita ajuda de quem puder doar sementes, terra ou dinheiro para que ele possa comprar material.
O Hortas Cariocas é um projeto da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e está presente em 30 comunidades e na rede municipal de ensino. Parte do que é produzido é dividido entre as escolas, creches municipais e moradores, podendo ser comercializado. Parte do lucro é reinvestido na própria horta.
Os alunos visitam o projeto e aprendem sobre alimentação saudável. Eles plantam e colhem o seu próprio alimento e levam algumas mudas com objetivo de iniciar uma pequena horta em casa.


2 comentários:

Cissa Queiroz disse...

Muito bom esse projeto! Nisso que o governo deveria investir, para se espalhar por todo o país.

Eu ainda sonho em comer maçã, morango e tomate orgânico, nunca encontrei para comprar e poder sentir o verdadeiro gosto desses alimentos, pois para quem nunca experimentou comida orgânica: não sabe o que está perdendo! O gosto é outro, de comida, não de veneno.

Lembro quando comi alface, cenoura, tomate (cereja) orgânicos e gostei do sabor, não tinha aquele gosto estranho que percebemos nas frutas e verduras com agrotóxico.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Cissa, vi que está no Mato Grosso do Sul. Te envio o link do Instituto de Defesa do Consumidor com o Mapa Nacional de Feiras Orgânicas, dá uma olhada:
http://www.idec.org.br/feirasorganicas

abs,
Carol