sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Corrida de touros? Não, obrigada, a gente tem bola gigante!



Poucas coisas são mais imbecis do que corridas de touros, rodeios e touradas. Aquários e gaiolas talvez.

Então, um grupo de cidadãos na cidade de Mataelpino, na Espanha, reuniu-se e resolveu inovar, trocaram os touros (cuja presença é cara, perigosa, insalubre e perversamente covarde) por imensas bolas decoradas com sinos, desenhos e o que mais a população inventar. A corrida, que era problemática, ficou mais divertida, com um aspecto quase circense, crianças e mulheres puderam participar e o mais importante: não houve nenhuma forma de sofrimento.
Saiu mais barato, foi mais inteligente, inclusivo e sustentável.
Não deixe de assistir ao vídeo, que não tem nada de politicamente correto, os marmanjos locais parecem muito felizes.


Una bola gigante sustituye a las vaquillas en los encierros de Mataelpino



As bolas infantis (menores) vieram com padrão de vaquinha malhada, então deixo outras sugestões livres minhas para as bolas do ano que vem:
1. bola gigante decorada com pedaços de CD´s velhos, como uma bola de discoteca;
2. globo terrestre;
3. fundo do mar;
4. oncinha;
5. zebrado;
6. padrão de girafa;
7. caricaturas dos políticos locais, como os nossos "judas em sábado de aleluia" (boa para atear fogo depois da corrida)



Mais informação:

2 comentários:

Unknown disse...

Olá Carol, gostei muito de seu blog. Há muito venho recusando de tudo, sacola, papel de cartão de débito, lembrancinha de festa, presente inútil, etc. Tento ao máximo reciclar meu lixo, que já foi extremamente reduzido e reciclo meu lixo orgânico com vermicompostagem. Não como nada processado e mesmo pão e coalhada seca eu faço. Mas o que eu gostaria de dicas suas não é sobre isso. Esse ano vou dar um salto mais ousado sobre essa questão, adquirindo um terreno degradado na zona rural da cidade de Xerem onde trabalho e pretendo construir uma casa nele com técnicas pré revolução industrial e materiais do próprio terreno, com pouquíssima brecha para exceções (se permitir alguma) e em cinco ou seis anos pretendo começar a viver em permacultura, de forma radical, desde produzir toda minha comida na propriedade até roupas, papel, pasta de dente e sabão. Pretendo coletar água da chuva e gerar toda a (pouca) energia elétrica no local (sem uso de baterias para acumular, precisou, gerou), além de produzir metano, etanol e biodiesel. Não acredito em placa fotovoltáica, mas de início devo ter uma para bombear água de poço. Algumas coisas já sei fazer e outras ainda não. Gostaria de alguém para trocar idéias sobre o assunto, pois aparentemente todo mundo acha que o crescimento econômico vai durar para sempre. A verdade é que não vai e a minha opinião é que a sociedade como a conhecemos já começou a ruir de verdade e não dura muito mais que 10, 15 anos. Aqui no Brasil temo que a primeira guerra civil declarada surja por conta de água, já que chupamos o aquifero da cantareira todo e SP está louco pra por a mão nas água de MG e RJ. Não acho que nada disso vai acabar bem, mas quando tudo babar espero estar vivendo já fora da rede. Como ainda estou estudando o assunto, procuro pessoas como quem discutir. abcs. leopalmieri1@gmail.com

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Leo, vou te responder por email com mais calma, mas uma boa é vc ir dando uma olhada na série da casa sustentável:
http://caroldaemon.blogspot.com.br/2011/04/casa-sustentavel-e-mais-barata-parte-01.html

Abs,
Carol