sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Cães também comem arroz de lentilhas e falafel

Faço comida árabe com muita frequência, aprendi a fazer kibe antes do nosso arroz com feijão. Minha mãe, que deve ter sido a primeira mulher da sua família a fazer faculdade e mestrado, nunca ensinou às filhas a cozinhar, até por trabalhar muito e não ter tempo. Mas a mãe das minhas amigas em geral eram mulheres mais à moda antiga, então adoravam enfiar o nariz nas panelas e cediam seu tempo na cozinha às meninas da casa. As minhas duas amigas mais chegadas na adolescência eram de origem estrangeira (italiana e libanesa) e como eu dormia muito na casa de ambas, acabei começando a cozinhar na casa dos outros e só fui aprender a fazer feijão com arroz muitos anos depois, por uma receita copiada da internet combinada às dicas dos livrinhos da alimentação natural de Sonia Hirsch.

A culinária árabe, como a mediterrânea em geral, é prática, barata e adaptável ao nosso clima, cada vez mais quente. Mas nem sempre o que preparo, traz o resultado desejado.
Fiz um arroz integral com lentilhas e cenoura que ficou empapado e, na dúvida se cães podem consumir feijões, consultei o guia de dieta cozida para cães do Cachorro Verde.
Como estava liberado, reguei com azeite, juntei alho cru picadinho e as três se refestelaram.

Meses depois, já morando no apartamento novo, resolvi fazer um falafel usando feijões brancos no lugar do grão de bico da receita tradicional. Falafel é um bolinho que pode ser feito com qualquer feijão e não leva nenhum outro ingrediente. Em feijão fradinho é a nossa receita de acarajé, que depois acaba frito no dendê. Nos restaurantes, o falafel é encontrado em bolinhas fritas em óleo de soja. Aqui em casa, prefiro formar hambúrgueres e grelhar num fio de azeite, depois de temperado com muito alho, cheiro verde e cominho.
Ainda não havia tentado em feijão branco, que é um dos meus feijões favoritos. Não suportei o resultado e, já ciente de que todos os feijões são liberados para cães, servi e as três adoraram.
A massa fica linda, branquinha, mas o sabor não fez a minha cabeça.
Aqui no blog, encontram-se postagens exclusivas para falafel, arroz de lentilhas e comidas preparadas em panelas elétricas, os links estão no final da postagem.

Seguem as fotos das comidas e das meninas aproveitando minhas experiências que não dão certo:





Olímpia de coleira anti pulgas e carrapatos (que não adianta nada) comendo sua porção na cozinha da casa antiga.



Margarida e Pipa também com suas coleiras, comendo juntas.




Meses depois, na cozinha do apartamento novo e com uma nova panela elétrica quadrada.
Como eu não gostei da massa quando fiz o meu hamburguer individual em falafel de feijão branco, então para os cães, resolvi assar inteiro e servir fatiado. Funcionou bem.




Já assado e fatiado, se for fazer também, espere esfriar para servir aos animais.




Margarida tem que ser servida antes, para não atacar a porção das duas menores. Observa, fareja e come. E abana o rabinho, é claro.









Pipa e Olímpia farejando para ver se vale a pena.




Pipa repetindo e Olímpia lambendo os beiços.




 O rabo da Olímpia abanando de felicidade pela terceira porção.

  



Pipa em pé, para pegar antes de todos sua terceira porção. Olímpia embaixo, com uma pata a menos não fica de pé, mas de olho, atenta, esperando para ganhar também.








As receitas:
2 anos sem forno e fogão
Falafel, Kibe e Abará de acarajé




Mais informação
Fábricas de filhotes
Cães também bebem garapa
Cães também comem coco e abacate
Cachorros também comem pés e ovinhas de galinha
Dica sustentável e veterinária do dia: canela e joelho de boi 
Mais uma dica sustentável e veterinária: pescoço de galinha

Nenhum comentário: