domingo, 8 de março de 2015

Deixem Jess Ainscough descansar em paz



Há 1 semana, a blogueira australiana Jess Ainscough faleceu com apenas 30 anos de idade. Famosa em todo mundo como uma das mais ilustres pacientes da dieta do Gerson Intitute, a Wellness Warrior Jess vinha vencendo a batalha contra o câncer, quando após a morte prematura de sua mãe com quem era muito ligada, seus sintomas voltaram depois de pelo menos 5 anos sem qualquer medicação convencional, que levariam então ao seu óbito.

Jess Ainscough tinha 22 anos quando recebeu um diagnóstico de câncer raro e agressivo nos ossos com presença de tumores específicos na região dos ombros e braços. Como qualquer pessoa, partiu para os exames e tratamentos tradicionais, como as sessões de quimio. Após ser desenganada pela medicina convencional aos 23 anos, quando ouviu inclusive a sugestão de ter seus membros amputados, decidiu por conta própria adotar a dieta anti câncer do Gerson Institute, que salvou a vida de milhares de pacientes desenganados, inclusive o Prêmio Nobel Albert Schwteizer, que morreria de causas naturais aos 90 anos.
Encantada com os resultados obtidos, Jess disciplinadamente encarou a dieta vegana e extremamente restritiva do Gerson Institute por 5 anos, sem que qualquer sintoma de câncer reaparecesse.

Nesse momento, por força de um diagnóstico, também sou obrigada a seguir uma dieta anti câncer restritiva, só que curiosamente o oposto da que manteve Jess viva.
A dieta anti câncer do Gerson Institute baseia-se em uma alimentação vegana sem qualquer derivado animal, com restrição de algumas frutas como abacaxi, abacate, todas as frutas vermelhas, nozes, soja e oleoginosas em geral. É uma dieta a base de folhas, mas que libera alimentos como batatas e todas as solanáceas - e o site oficial da Fundação (que sobrevive a base de doações) libera vasto material com centenas de receitas.

A dieta que sigo também é baseada em folhas, mas proíbe todas as frutas, carboidratos e grãos liberados pela dieta do Gerson Institute. Só que por outro lado, posso consumir todas as carnes.

O fato de existirem tratamentos anti câncer aparentemente opostos não significa que os médicos enlouqueceram, mas sim que cada caso é um caso e o que causa o câncer em um paciente pode não ser o mesmo em outro. A medicina ainda não tem um consenso para o câncer. O câncer é basicamente um grupo de células cujo núcleo começa por alguma razão qualquer e aleatória a comportar-se de forma anormal. Pessoas expostas à radiação desenvolvem diversos tipos de câncer, como pessoas que se expõe ao sol também podem vir a desenvolver melanomas. Em tempo, incidência solar também chama-se radiação.
Ex trabalhadores de minas de carvão desenvolvem mais câncer de pulmão do que fumantes, mas nem todo ex fumante-mineiro morre de câncer, como agricultores que manusearam agrotóxicos líquidos sem proteção também apresentam altas taxas de incidência. O estresse, a alimentação, parasitoses, fungos, alergias, fatores externos (como agentes químicos, fumaça, radioatividade e poluição), predisposição genética, além de milhares de outros fatores podem levar determinado paciente a um quadro de câncer e outros não. Mais uma vez, o câncer é um quadro médico causado por um grupo de células que, quando agredida por alguma razão específica mas aleatória, resolveu rebelar-se e apresenta comportamento nuclear anormal.

A primeira dieta anti câncer desenvolvida no Brasil, foi implementada por um oncologista que notou em si mesmo a redução dos seus sintomas de alergia após a restrição de alguns alimentos, como lácteos, abacate, coco, feijões e batatas, mas liberando carnes (exceto a de porco). Dr. Raul Barcellos indicava aos seus pacientes desenganados, que continuassem com a quimio, mas que seguissem a dieta, afinal não havia nada a perder. Dr. Barcellos acreditava que o câncer era uma forma aguda de alergia, uma última reação do organismo ao que o agride e, que a partir da exclusão dos agentes agressores, o mesmo poderia se restabelecer. Curou centenas de pessoas de acordo com vasta literatura médica comprovando, como o Dr. Gerson também curou indicando uma dieta vegana sem qualquer derivado animal, mas igualmente sem lácteos e abacate, que são alimentos tradicionalmente alergênicos.

As proteínas de origem animal são consideradas a principal causa de desenvolvimento de tumores por uma linha específica da nutrologia (mas não por dezenas de outras), daí o sucesso de dietas tradicionalmente vegetarianas, como a do Gerson Institute e mesmo a macrobiótica, em tratamentos de pacientes desenganados. E eu mesma curei um ovário policístico sem qualquer medicação apenas adotando uma dieta vegana, orgânica e sugar free, onde por 3 meses não consumi nenhum derivado animal, produto industrializado ou carboidrato-açúcar refinado.
Por outro lado, há toda uma literatura que relaciona o desenvolvimento de variadas formas de câncer à presença de fungos e verminoses no organismo, geralmente alimentados por carboidratos (mesmo integrais), frutas e quaisquer formas de adoçantes naturais não refinados, o que explica o sucesso de dietas baseadas estritamente em folhas e proteínas. O agente externo ataca o organismo, que se defende comportando-se de forma anormal, como faria com um fumante.
A única maneira de um paciente saber qual dieta é a ideal para si, é testando em si mesmo com o devido acompanhamento médico. E não há nada de errado nisso, afinal quando um médico prescreve determinada medicação e seu paciente não reage, ou reage mal, o mesmo olha placidamente para o tal paciente na visita seguinte e sugere outro remédio. Sem qualquer conflito moral, desde que  obviamente guardando as devidas proporções e respeitando os limites do bom senso, da moral e da ética médica que regem a relação médico e paciente. O paciente não é cobaia, mas o médico (assim como a medicação) não é onipotente.
E nada impede que mesmo essas linhas médicas tidas como alternativas-complementares, pois baseiam-se em conhecimentos tidos como ancestrais, tenham que rever tudo que sugerem sobre o trigo integral, dada a nova epidemia de intolerância ao glúten.

Na minha humilde e modesta opinião, o legado de Jess Ainscough continua tão vivo como há 1 ano atrás, quando a saúde da mesma estava em ótimas condições. Jess mostrou à milhares de pessoas que existem opções à cura do câncer que podem acontecer em paralelo ou mesmo simultaneamente à quimio.
A própria família de Jess rejeitou violentamente qualquer teoria sobre como os tratamentos convencionais de quimio e radio poderiam ter estendido a vida dela e, em nenhum momento houve por parte dos familiares ou mesmo da própria Jess, que esteve lúcida durante todo esse período, qualquer questionamento acerca da eficácia da Terapia de Gerson. E, mesmo com tanta controvérsia, não há ainda um consenso entre os muitos oncologistas que a atenderam acerca da sobrevida dela com a quimio.
A família de Jess, que só pediu para si um pouco de privacidade após ambas as perdas, de Jess e sua mãe, deixou como orientação que não enviassem flores ou presentes, mas que fizessem doações a um abrigo de animais indicado pela família.


O site oficial da Jess, Jessainscough.com, continua no ar, mas apenas com uma mensagem em memória a ela. Talvez a família ainda não tenha decidido o que fazer com o conteúdo, espero sinceramente que mantenham online. E seus livros continuam à venda, com todas as receitas que a mantiveram viva durante todos esses anos, seguindo o protocolo da dieta anti câncer do Gerson Institute e posteriormente, em base vegana.


Posição oficial do Gerson Institute em memória à Jess: Gerson Institute: In Memory of Jess Ainscough, the Wellness Warrior


As perguntas que um paciente de câncer deve fazer antes de encarar uma terapia alternativa: Cancer death of 'Wellness Warrior' Jess Ainscough brings focus onto alternative treatments _ The Cancer Council's questions to ask when considering alternative therapies


Quem foi Albert Schwteizer: Site Oficial Fundação Nobel


Da BBC: Principais sintomas de câncer


As receitas de Jess aqui no blog:
Sucos verdes
Cheesecake de abacate com calda de frutas vermelhas em massa de amêndoas
Hot Choc Winter Smoothie, Fancy Dandy Tea, Superfood Haute Chocolate, Spiced rice milk drink e Sort of Dandy Chai


A dieta vegana, sugar free, orgânica e livre de quaisquer produtos industrializados que curou meu ovário policístico: Outras curas


A dieta proteica que eu estou seguindo no momento, meu diagnóstico, a dieta do Dr. Barcellos, fungos, verminoses e todos os porquês: "É câncer mas não é nada"


O documentário sobre a Terapia de Gerson:




Depois de filmar o documentário "O Milagre de Gerson", o Diretor Steve Kroschel, se deparou com evidências que apontavam que realmente a cura do câncer já havia sido descoberta e que interesses da indústria farmacêutica estavam por trás de esconder os resultados da Terapia de Gerson, que utiliza-se basicamente da nutrição altamente rica e da desintoxicação.

Ele vai então conversar com médicos, pacientes, nutricionistas viajando pelos EUA, Espanha, Holanda e México. No Japão conversa com um médico que aplicou em si o tratamento e curou-se, depois de ter sido diagnosticado de câncer terminal 50 anos atrás. Esse médico hoje faz a Terapia de Gerson no Japão para inúmeros pacientes.

"Por que essa terapia ainda está renegada depois de 75 anos de claramente provar curar doenças degenerativas?" - É o que o diretor tenta responder.


Fonte: DocVerdade