sábado, 5 de março de 2016

#KillTheKCup - Precisamos falar sobre o Nespresso



O problema não é exatamente o Nespresso, mas todo café vendido em cápsulas, como o Lavazza, Pilão, o Três (da Três Corações) e os demais genéricos, que são fabricados à moda do hypado Nespresso.
Esses cafés em cápsulas são uma praga, não dá para definir de outra forma. No lugar de um único e imenso saco de café, são vendidas por tabela milhares de cápsulas em plástico e alumínio, que não reciclam. Pior, os cafés nem são orgânicos, como as versões lácteas tampouco apresentam qualquer compromisso ambiental ou certificado de procedência. Como não há nada tão ruim que não possa piorar, agora, deram para vender chás em cápsulas, que obviamente só funcionam na máquina específica. Ora, chá é uma erva seca que não precisa ser gourmetizada, para fazer chá basta água fervendo e um pouco da ervinha escolhida. Os mais novidadeiros misturam sabores (eu gosto de misturar hortelã com camomila), pingam limão, juntam um cravinho (pau de canela, raspas da laranja, gengibre, cardamomo...), um pouco de leite fresco e estamos muito bem ajeitados.
Antes do advento dos saquinhos de chá, que pelo menos se biodegradam, as pessoas coavam o chá (comprado em quantidade sem muitas embalagens) em coadores metalizados reaproveitáveis. Havia até modelos em prata individuais para os mais chiques e as casas de chá também mantinham bules com coador embutido. Um charme, via-se a água mudar de cor ao contato da erva e o encontro das pessoas para um chá ou café era considerado quase um ritual.
O inventor dessas cápsulas, declarou-se publicamente arrependido de seu invento, já que a mineração do alumínio é tão poluidora como todas as outras. E o metal utilizado nas cápsulas, que é necessário para produzir coisas mais importantes do que embalagem descartável, não pode ser reciclado e vai acabar extinto no ritmo atual.
A cidade alemã de Hamburgo proibiu recentemente a comercialização de cafés e bebidas em cápsulas em prédios públicos, afinal as já existentes podem dar a volta ao globo 12 vezes se enfileiradas.


Ao mesmo tempo em que temos esse excesso de comida industrializada e embalada sendo vendida, encontramos um grande movimento a favor da retomada de tradições gastronômicas para que as mesmas não se percam. O chá e café são as bebidas mais tradicionais de quase todos os povos, justamente porque garantem que a água seja fervida e com isso, torne-se potável. Muitos estabelecimentos oferecem café coado em coador de pano servido em minixícaras de ágata, expressos com torragem dos grãos na hora, ervas para chá a granel expostas em vidros e variadas formas já consagradas de servir uma bebida caseira, tradicional, sofisticada (gourmetizada) e totalmente sustentável. 




Como adoro tanto chá quanto café e faço litros semanais de ambos sem cápsulas e máquinas modernas, deixo ao final da postagem muitas receitas caseiras, orgânicas, sem açúcar e o mais livre de embalagem possível, incluindo muitos cafés gourmetizados com ingredientes corretos, como favas de baunilha orgânicas. Fazer em casa não é só mais sustentável, como sai muito mais barato.
Mas você deve estar pensando, "Eu compro tantos potinhos plásticos de iogurte grego com tampinha de alumínio e não reciclo nada". Exatamente, ninguém precisa de potinhos de nada, você pode fazer em casa iogurte orgânico de fermentação natural, a mesma receita que os gregos realmente usam desde a antiguidade. Estou deixando essa receita também, para você ficar livre de potinhos seja lá do que for. Comida não precisa de composição de ingredientes, comida não é remédio para vir com bula.
E nem pense em sugerir cortininhas-bijuterias da reciclagem artesanal com essas cápsulas famigeradas, odiamos reciclagem artesanal por aqui. É medonho e insustentável.



Cidade alemã torna-se a primeira no mundo a proibir cápsulas de café
... a cidade alemã de Hamburgo tornou-se a primeira no mundo a proibir a venda e a utilização de cápsulas de café individuais em todos os prédios administrados pelo governo. Essas porções geram consumo de recursos e descarte de resíduos desnecessários. As cápsulas não podem ser recicladas facilmente porque são, muitas vezes, feitas de uma mistura de plástico e alumínio. São 6 gramas de café em 3 gramas de embalagem. Nós, em Hamburgo, pensamos que isso não deve ser comprado com o dinheiro dos contribuintes, relatou Jan Dube, do Departamento de Meio Ambiente e Energia de Hamburgo.
O movimento, que é apenas uma parte da tentativa de tornar a cidade mais sustentável e amiga do ambiente, vem em resposta à recente explosão dessas cápsulas nos últimos anos. As vendas de cafés individuais triplicaram na Europa Ocidental e nos EUA desde 2011, e em 2013, máquinas para tais cápsulas foram vendidas na Europa Ocidental pela primeira vez.
Em 2014, os principais fabricantes venderam cerca de 9,8 bilhões de pacotes de cápsulas, e apenas 5% das pessoas faziam a reciclagem (o que também provavelmente não adiantou muito, por conta da dificuldade do processo). Embora a principal empresa produtora, Keurig, tenha se comprometido a criar uma versão totalmente reciclável do produto em 2020, os próximos 4 anos podem causar um dano terrível ao ambiente, dizem os especialistas. “Não importa o que eles digam sobre a reciclagem, essas coisas nunca serão recicláveis. Eu às vezes me sinto mal por ter criado isso”, disse John Sylvan, fundador da Keurig e inventor da cápsula de café, em entrevista ao The Atlantic.
Atualmente, cerca de 13% das pessoas na Alemanha consomem essas cápsulas diariamente. Nos EUA, a percentagem de pessoas com uma máquina de café encapsulado aumentou de 15% para 25% entre 2014 e 2015. O que é realmente preocupante é saber que as pessoas continuam usando mesmo conscientes sobre seus malefícios. De acordo com uma pesquisa recente, 1 em cada 10 britânicos disse acreditar que as “cápsulas de café sejam muito ruins para o Meio Ambiente”, mas, ao mesmo tempo, 22% dessas pessoas alegaram possuir uma máquina.
Assim como canudos, guardanapos, talheres, copos e outras coisas descartáveis, as cápsulas de café entraram na lista de uso diário de muita gente. Entretanto, parece que ninguém reflete muito sobre uma questão simples: para onde todas essas cápsulas descartadas vão?
Só em 2013, 8 milhões de cápsulas descartáveis foram produzidas e o número de cápsulas descartadas já era suficiente para dar a volta ao mundo 11 vezes. Com versões mais baratas de máquinas e cápsulas lançadas nos últimos dois anos, além do incentivo fiscal anunciado pelo governo brasileiro esse ano, o número de pessoas consumindo e descartando cápsulas de café aumentou ainda mais no Brasil.
O grande problema, além do uso de matérias primas, é que as cápsulas de café são recicláveis na teoria, mas na prática é trabalhoso demais e não vale a pena o investimento. As cápsulas descartáveis são feitas de plástico, alumínio e um tipo de material orgânico. A reciclagem exigiria a separação desses materiais, isso sem falar que, no Brasil, apenas 3% do lixo reciclável é realmente reciclado.
As primeiras cápsulas descartáveis foram as K-Cups e seu criador, John Sylvan, se arrependeu de criá-las devido ao imenso impacto gerado por sua criação. “Não importa o que digam, as cápsulas nunca serão recicláveis”, afirmou ele ao jornal The Atlantic.
No Brasil, nós não temos as K-Cups, mas a Nestlé conta com as cápsulas de três camadas, que só são recicláveis na teoria, e a Nespresso alega que suas cápsulas são feitas 100% de alumínio, o que facilitaria a reciclagem. O problema é que a própria empresa conta com pouquíssimos pontos de coleta de cápsulas no país (apenas 12), dificultando até para as pessoas que têm interesse em fazer essa devolução.
Isso quer dizer que a cada café, estamos poluindo ainda mais o meio ambiente. Milhares de cápsulas descartáveis vão parar em aterros sanitários ou lixões, garantindo não só uma extração de papel, plástico e alumínio insana para produção e embalagem, como também emissão de CO2 e gás metano durante o apodrecimento das cápsulas a céu aberto.

Uma campanha da internet chamada #KillTheKCup mostra os danos causados pela produção e descarte dessas cápsulas e convoca as pessoas a entrarem nesse movimento. O vídeo apocalíptico com pouco mais de 2 minutos de duração mostra as cápsulas literalmente assolando a terra. Vale assistir e pensar duas vezes antes de tomar aquele cafezinho em cápsula. Opte pelas opções coadas ou prensadas e ajude a salvar o planeta das cápsulas descartáveis.



Kill The K Cup from Charles Wahl on Vimeo.



A primeira imagem, das cápsulas de Nespresso, são do artigo YOU’RE DESTROYING THE ENVIRONMENT WITH YOUR K-CUP COFFEE AND NESPRESSO PODS 
As três imagens seguintes registram 3 tradições em beber café: mineira (site do Centro de Comércio de Café do Estado de Minas), italiana (sem créditos) e árabe (site francês Papilles & Pupilles)
A quarta imagem, uma coleção de bules de chá chineses antigos específicos para a cerimônia do chá, é de um banco de imagens (depositphotos.com)
última é antiga aqui no blog, da cozinha daqui de casa e já estava na postagem dos cafés da manhã de inverno. O coador de papel reciclado se biodegrada em dias, principalmente se enterrado em vasos ou na composteira, use café orgânico que a ausência de agrotóxicos acelera o processo. O que é lixo na casa dos outros, na minha é adubo.






As receitas:
Kefir e iogurte
Delícias geladas
Delícias quentinhas
Slow Tea: chás e especiarias orgânicos
A praga da reciclagem artesanal: não é sustentável e é horrível
O mito da embalagem sustentável: manual básico de reciclagem
Você compra demais ou "De onde vem o lixo produzido no mundo?"

Nenhum comentário: