quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Sempre alerta



Eu não tive filhos, mas vejo nas redes sociais uma grande discussão sobre a novidade da escola de princesas e os cursos de desprincesamento para meninas criados em resposta, ambos diametralmente opostos e gerando discussões ferrenhas com ânimos exaltados.
Não conheço nenhum dos dois cursos, tampouco o novo grupo de meninas da Igreja Universal com aulas e atividades específicas que, segundo os organizadores, opera milagres nas vidinhas de suas discípulas. Nada contra, nada a favor.

Mas eu conheço uma Organização para meninos e meninas de todas as idades, classes sociais, credos e nacionalidades basicamente gratuita e alicerçada em valores extremamente conservadores, mas nem por isso menos válidos, ou talvez justamente por isso, que se mantém há 100 anos com uma tradição sem qualquer escândalo: Escotismo (e claro, Bandeirantes).
Porque é possível ser conservador e não ser boçal, como também é mais do que viável criar meninos e meninas em pé de igualdade sem agredir os tradicionalistas

Uma das minhas muitas frustrações na vida foi nunca ter sido escoteira, conheci alguns chefes de grupo já adulta e cheguei a ajudar voluntariamente os dois grupos de Escoteiros do Mar de minha cidade em Festas Juninas, no Morro Azul no Flamengo e no Clube Piraquê na Lagoa.
Guardo as experiências com muito carinho e de outros eventos, lembro de ter lidado com as crianças mais educadas, prestativas e obedientes que já conheci.

Como acompanho as páginas escoteiras no Facebook, pude ver que o Escotismo, assim como Bandeirantes, só agrega valores positivos para qualquer pessoa, que continuará escoteira pelo resto de sua vida, pois estimula a participação dos pais, engajamento em atividades sociais, voluntárias e esportivas, assim como a construção de valores como honestidade, liderança, altruísmo, lealdade, disciplina e respeito às diferenças.
Em muitos países, onde conflitos armados são uma realidade, o Escotismo funciona como a única opção às crianças fora das milícias. Aqui mesmo no Brasil, há grupos escoteiros funcionando normalmente dentro de comunidades e claro, todos os seus membros tiveram um destino muito melhor do que os vizinhos aliciados pelo tráfico.
Mesmo em configurações sociais perfeitas, saber que seu filho está passando o dia ativo e em segurança no Grupo Escoteiro é muito melhor do que tentar convencê-lo a largar o celular ou qualquer game dentro de um apartamento.

Quando do deslizamento de encostas na Região Serrana em 2010, uma tragédia que vitimou mais de mil pessoas e segue impune até hoje, passei todo o período na Sede da Cruz Vermelha do Rio de Janeiro ajudando a separar e carregar fardos de donativos, como já havia colaborado quando do deslizamento do Morro do Bumba, igualmente impune. Ambas as experiências foram tão fortes em generosidade e humildade, que fiz questão de registrar aqui no blog.
Em todos os dias, pudemos contar com a colaboração alegre e incansável de diversos grupos escoteiros devidamente uniformizados.
Anos depois, presenciei escoteiros colaborarem voluntariamente em ocasiões e situações tão distintas quanto casamentos coletivos comunitários e maratonas urbanas pelo câncer. Sempre alertas.

Particularmente acredito que o Escotismo seja a melhor opção para qualquer criança em qualquer circunstância. Infelizmente as realidades familiares estão cada vez mais complicadas e a presença de figuras de autoridade e proteção em acampamentos, regatas e atividades voluntárias sempre de viés comunitário podem ser fundamentais para uma criança em formação, que muitas vezes não terá nenhuma outra referência na própria família ou escola.
Um dos meus melhores amigos não teve praticamente contato com seu pai na infância e adolescência, sua figura paterna foi o Sensei (mestre) de judô - um sujeito realmente fora de série, que retirou outros jovens das drogas e continua sendo um líder até hoje. Influenciou muitos conhecidos meus e, graças à boa influência dele, todos esses rapazes tornaram-se bons profissionais, maridos e pais, além de chegarem à faixa preta, é claro.
Como nem sempre é possível ter a mesma sorte, o Escotismo garante contatos e vínculos por toda uma vida em todo o mundo, já que promove atividades e formação para todas as idades.





Texto retirado do site dos Escoteiros do Brasil:
São bastante comuns os relatos de pais ou professores que percebem mudanças significativas no comportamento das crianças, adolescentes e jovens. Por meio das atividades que exigem concentração e esforço, de ações comunitárias e de um conjunto de valores que envolvem a lealdade, cortesia e educação, desenvolvemos a autonomia, a integração social, além do conceito de cidadania. Crianças e jovens inseguros ou tímidos acabam conquistando mais autoconfiança por meio desses estímulos emocionais e físicos.
Nossa intenção é proporcionar um ambiente de colaboração, onde se constroem amizades e valores levados por toda a vida. É por meio das atividades oferecidas que os jovens se desenvolvem, sendo incentivados a assumir liderança, a pensar e agir de maneira coletiva e sustentável, a se envolver com a comunidade, afim de tornarem-se independentes de forma responsável.
Prezamos o respeito, incentivando uma cultura de paz para que, assim, possamos entregar pessoas melhores à comunidade.




Mas você quer que sua princesinha encontre um príncipe encantado e seja muito glamourosa, o mais parecida possível com Kate Middleton...  Só observe que a princesa mais badalada do mundo faz mais do que usar vestidos caros e lançar moda. Dá uma olhada nas histórias abaixo e veja se o Escotismo (ou Bandeirantes) não é uma opção muito melhor, mais sadia para qualquer criança e mais barata para o seu bolso (é você quem paga, não a princesinha).
E não custa lembrar que a avó do Príncipe (que não é encantado, mas piloto de caças pela Força Aérea de seu país), a atual Rainha, é exímia mecânica e motorista de caminhões, trabalhou ativamente como voluntária nas frentes de batalha durante a Segunda Guerra Mundial. Depois de coroada, casou-se e teve muitos filhos como manda a tradição, mas de todos, o único medalhista olímpico, foi a única filha mulher do clã, tia desse Príncipe.

Duchess of Cambridge qualifies as advanced diver (Duquesa de Cambridge qualifica-se como mergulhadora avançada)

How deep is your love: Kate Middleton gets advanced diving certification just like William (Quão profundo é o amor: Kate Middleton obtém qualificação avançada de mergulho exatamente como William





E quem sabe, dentro de um ambiente tão plural e ao mesmo tempo sólido como o Escotismo, não seja possível que sua filha até encontre seu companheiro de vida, se isso for o que ela realmente quiser para si mesma.
Mas, o mais importante, nossas meninas vão ter finalmente aprendido que existem mais opções do que ser só uma princesinha (do papai e do marido) e que, na verdade elas nem precisam de nada disso.

O que eu mais gosto na história abaixo, de um casal de escoteiros há mais de 50 anos na ativa: a mocinha já tinha posição de destaque no grupo enquanto ele, apesar de mais velho, apenas iniciava (o que deve ter obrigado esse rapaz a pedir autorização dela para algumas atividades) e o que ele reparou primeiro nela, a responsabilidade.

No Facebook, Elmer Pessoa com Lenita Pessoa: HOJE É UM DIA MUITO FELIZ! (curtido até agora por 459 pessoas)

Completa neste dia 70 anos de vida e com 55 anos de Escotismo! Lenita, uma esposa p/ toda vida! Não precisei de outra... Um feliz casamento de 47 anos c/ duas filhas e um casal de netos e mais dois a caminho! Pode existir alguém tão feliz quanto eu, mas, mais feliz, não existe! Estamos ficando velhos juntos? Não. Velhos não, pois o que é velho joga-se fora! Estamos ficando idosos juntos, dia a dia, vivendo a plenitude da vida. Continuamos trabalhando juntos, voluntários ativos e admito que seja eu quem dá o maior trabalho para ela...
Lenita continua sendo a minha garotinha, a mesma que começamos a namorar, ela c/ 15 aninhos e mesmo assim, já responsável, sendo Akelá do meu Grupo Escoteiro, isso em 1960! Vivemos duas vidas juntos: a vida familiar e a vida escoteira e, se Deus nos permitir, seguiremos estas duas trilhas por mais algum tempo.
Faria tudo de novo, se fosse possível repetir, talvez c/ mais capricho ainda, pois Lenita merece cada vez mais, o amor que sempre dediquei a ela! E, não se preocupem c/ os 70 anos... Ela tira de “letra”!
Lenita, eu te amo!






Mais sobre Escotismo, história e valores, no Wikipedia:  https://pt.wikipedia.org/wiki/Escotismo
Bandeirantes, Instituição irmã que aceita meninos e meninas:  http://www.bandeirantes.org.br/

Todas as fotos de crianças e adultos escoteiros foram retiradas das páginas públicas sobre Escotismo, as da família real britânica, das reportagens linkadas. A minha favorita é a das escoteiras de tiara de princesa com o homem mais poderoso do planeta, um presidente negro, tido como bom marido e pai de mulheres independentes que, conhecido pelo bom humor e informalidade, topou colocar uma tiara também.



Mais informação:
Para brincar
A Sinfônica do Lixão
Festas Juninas sustentáveis
Por uma infância sustentável
Lancheiras e marmitas saudáveis
Tippi, a filha de fotógrafos criada na África
Os 10 mandamentos do mergulhador consciente
Carta aberta dos Bombeiros do Rio de Janeiro à população
No interior do RN, Exército inaugura primeiro poço artesiano que funciona a energia solar

Nenhum comentário: